Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
17 abril 2020
Texto de Sandra Costa Texto de Sandra Costa

Menos viagens ao IPO de Lisboa

​Fabrício recebeu a medicação na farmácia e não teve de deslocar-se ao Instituto Português de Oncologia de Lisboa. Serviço Regional de Saúde também poupou.

Tags
Farmácia da Santa Casa da Misericórdia da Maia (São Miguel, Açores)

Fabrício Benevides mora em São Miguel, nos Açores, e a cada três meses tem de deslocar-se ao Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa. O jovem de 20 anos sofre de neurofibromatose de tipo 1, uma doença genética rara que origina tumores a nível cutâneo. Não há tratamento específico, com excepção da remoção cirúrgica dos tumores, quando são benignos, caso dos de Fabrício. Desde os quatro anos, quando a doença foi diagnosticada, foi operado seis vezes. A medicação que toma de manhã e à noite, ajuda a prevenir o crescimento e a degeneração dos tumores, garantindo «maior qualidade de vida», explica a mãe, Zélia Benevides.



A consulta no IPO agendada para meados de Abril foi desmarcada devido à pandemia de COVID-19. O médico sugeriu à família enviar a medicação para uma farmácia à escolha, o que passou a ser legalmente possível desde 19 de Março, data da publicação da norma conjunta da Direcção-Geral da Saúde e do Infarmed n.º3/2020. A medida tem como objectivo «agilizar a dispensa de medicamentos hospitalares através da farmácia comunitária», de forma a evitar deslocações desnecessárias aos serviços de saúde e diminuir o risco de infecção dos doentes mais frágeis.

Zélia Benevides concordou de imediato. «Não queremos arriscar-nos», afirma. Sabe que o filho tem baixa imunidade e ela e o marido são doentes crónicos, sofrem de diabetes. Além disso, está a recuperar de uma operação à vesícula e a uma hérnia, e o marido, mestre de obras, está a trabalhar na ilha de São Jorge. Ir a Lisboa buscar a medicação seria um transtorno e obrigaria a respeitar os períodos de quarentena, na chegada ao continente e no regresso à ilha. Zélia podia ter escolhido levantar os medicamentos no hospital de Ponta Delgada, mas achou mais seguro evitar a deslocação e recebê-los na Farmácia da Santa Casa da Misericórdia da Maia, a quatro quilómetros de casa, na Lomba da Maia, no norte da ilha. «Correu tudo bem, foram impecáveis», diz satisfeita. 


Quando Zélia Benevides contactou a farmácia perguntando se podia receber ali a medicação oriunda do IPO de Lisboa, a farmacêutica Teresa Silva mostrou-se «completamente disponível», mesmo sabendo que o serviço seria prestado de forma totalmente gratuita. «A nossa missão, enquanto farmacêuticos comunitários, é prestar um serviço cuidadoso e eficiente à comunidade». Explica que a farmácia fica satisfeita em contribuir para que a medicação seja recebida «através de um canal com profissionais de saúde habilitados». A farmacêutica ficou bem impressionada com a forma como correu o processo. Sentiu que as várias entidades envolvidas estavam «bem interligadas» e trabalharam de forma «bastante eficiente». «No início pareceu-nos um bocadinho complicado, mas com um pouco de calma, tempo e boa vontade tudo se faz. Foi com muita vontade que prestámos um serviço importante e a nossa utente ficou reconhecida», confirma, com org​ulho. 

Teresa Silva é sensível às dificuldades com que os ilhéus são confrontados para resolverem alguns problemas de saúde. As deslocações aéreas, a necessidade de pernoitar nas pensões designadas pelo Serviço Regional de Saúde (SRS), as alterações a nível da alimentação e hábitos, o apoio monetário que «não chega para cobrir as despesas diárias». Por tudo isto, defende que quando não há necessidade de o utente se deslocar ao serviço central, fora da ilha, para realizar consultas ou exames, as vantagens de receber a medicação hospitalar nas farmácias comunitárias são «enormes». «Não só pela simplificação e conforto da vida do utente, como pela poupança económica para o SRS».  
​​​​​​​


Zélia Benevides deixa bem claro que não vão a Lisboa porque querem ou gostam, mas por motivo de doença. «Tomara eu que a gente não tivesse de ir». Gostava de poder continuar a levantar os medicamentos do Fabrício na farmácia, mesmo quando os constrangimentos da pandemia forem ultrapassados. «Quando for necessário irmos a Lisboa para exames ou consultas, teremos de ir. Mas se puderem enviar os medicamentos para cá eu agradeço. É uma mais-valia levantar na farmácia». Zélia e Fabrício nunca tiveram de ir a Lisboa de propósito para levantar a medicação, mas nem sempre conseguem trazer a quantidade necessária até à próxima consulta, por dificuldades de stock da farmácia hospitalar. O médico chegou a sugerir que pedissem o favor a outros pacientes, seus conterrâneos, de lhes levantarem a medicação nas suas deslocações ao IPO. 

Fabrício Benevides luta há 16 anos com uma doença que além de limitar as suas capacidades, deixa sequelas físicas. Concilia a doença com as exigências dos estudos, não abdica dos projectos de vida. Frequenta o segundo ano da licenciatura em História, na Universidade de Ponta Delgada e gostava de fazer o mestrado em História Militar e trabalhar na área, em museus, «pelo fascínio cultural». Também ele diz ser «mais prático poder levantar a medicação mais perto» depois de passada a fase da pandemia. Seria um pequeno passo para facilitar a vida de quem já tem muito para enfrentar.