Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
3 janeiro 2020
Texto de Jaime Pina (médico, Fundação Portuguesa do Pulmão) Texto de Jaime Pina (médico, Fundação Portuguesa do Pulmão)

Duas vacinas que podem salvar a sua vida

​​​​​​​​​Proteja-se das constipações, da gripe e da pneumonia. 

Tags
O frio potencia infecções respiratórias de origem viral, com destaque para constipações, gripe e pneumonias. São vários os vírus implicados, como o sincicial respiratório, que afecta sobretudo as crianças e enche as urgências pediátricas com casos de bronquiolites. 

Os vírus mais frequentes no Inverno são os rinovírus e Influenza. Os primeiros provocam constipações, enquanto os vírus Influenza são responsáveis pela gripe. 

As constipações ou resfriados afectam o nariz e a faringe. Os sintomas comuns são mal-estar geral, congestão nasal, crises de espirros, pingo de nariz e garganta dorida. A doença é benigna, dura poucos dias e apenas requer medicação sintomática: ambientes e bebidas quentes, descongestionantes nasais. Em caso de febre, deve tomar antipiréticos. Atenção: não há lugar para os antibióticos no tratamento das doenças provocadas por vírus!

A gripe é também uma virose mas, ao contrário da constipação, é uma doença grave e até mortal: no ano passado, morreram 3.331 pessoas em Portugal devido à gripe. Para além dos sintomas da constipação, surge febre elevada, dor de cabeça, de músculos e articulações.

A tosse seca indica que o aparelho respiratório foi a porta de entrada do vírus. Sendo uma infecção grave e altamente contagiosa, requer que o doente permaneça em casa. Deve contactar com o menor número possível de pessoas. Seguir atitudes defensivas de transmissão do vírus, como lavagem das mãos, protecção respiratória e máscara facial, são muito importantes. O tratamento é com base em medicamentos antivíricos específicos e antipiréticos. 

Mas a arma mais eficaz é a vacina, que deve ser administrada antes do início da época gripal − preferencialmente no Outono.  A vacina confere uma protecção muito significativa e, mesmo que não impeça a infecção em todas as pessoas vacinadas, as que adoecem têm formas de gripe mais atenuadas e menos complicações.

A vacina antigripal tem como principal objectivo proteger as pessoas mais vulneráveis, por exemplo, de idade superior a 60 anos, doentes crónicos e pessoas com a imunidade diminuída. Outro objectivo da vacina é cortar a cadeia de transmissão da infecção e é por isso que grávidas, pessoas internadas, institucionalizadas e os profissionais de saúde têm o dever cívico de se vacinarem. 

Apesar de ser corrente dizer-se «estou engripado» quando apenas se está constipado, convém chamar a atenção para a benignidade da primeira e gravidade da segunda. Uma gripe não é uma constipação!

Outra infecção respiratória grave que ocorre, sobretudo, durante o tempo frio, é a pneumonia. Trata-se de uma infecção do pulmão que pode comprometer a principal função deste órgão, a de oxigenar o sangue. Apesar de poder ser originada por vírus − a pneumonia provocada pelo vírus da gripe é uma das mais temíveis complicações desta infecção − na grande maioria das vezes é causada por bactérias, com o pneumococo à cabeça.

Por não ser uma doença de declaração obrigatória, não conhecemos o número exacto de casos de pneumonia que ocorrem em Portugal. Porém, sabemos que origina 110 internamentos diários, apenas no SNS, e que mata um português em cada 93 minutos − onze vezes mais do que os óbitos devidos a acidentes rodoviários. A pneumonia é uma das doenças mais mortíferas em Portugal.

Expressa-se por uma tríada clássica de sintomas: febre elevada, dor torácica, que aumenta com os movimentos respiratórios (dor tipo pontada), tosse e expectoração.

​O tratamento baseia-se em antibióticos e, nos casos mais graves, o doente tem de ser tratado no hospital.

Existe uma vacina que confere protecção contra as bactérias mais frequentemente implicadas nas pneumonias − a vacina antipneumocócica. Crianças, pessoas com idade superior a 65 anos, sem baço, doentes crónicos ou com défices da imunidade estão na linha da frente para esta vacinação.

Mais vale prevenir do que remediar. Não se esqueça de se vacinar antes do frio.​​
Notícias relacionadas