Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
25 março 2019
Texto de Maria João Veloso Texto de Maria João Veloso Fotografia de Mário Pereira Fotografia de Mário Pereira

Para mais tarde recordar

​​​​​​​​Hospitais CUF e Farmácias Portuguesas juntos pelas mães e bebés.

Tags
No branco e comprido corredor das consultas de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital CUF Descobertas respira-se a magia da maternidade. Entre consultas, ecografias e outros exames à mãe e ao bebé, é difícil manter a isenção que é pedida ao jornalista e não termos um desregulamento hormonal. As futuras mães sorriem muito. O tempo é de esperança.

Para Andreia Paes de Vasconcellos, grávida pela terceira vez, «é uma altura em que tudo passa mais rápido». A navegar no líquido amniótico está Carlota ou Teresa, os pais ainda têm dúvidas, que virá fazer companhia aos irmãos de quatro e dois anos. A gestante está de 24 semanas e recebe o kit grávida com o entusiasmo próprio de quem sabe perfeitamente ao que vem.

Uma parceria das Farmácias Portuguesas com a CUF, em curso nos hospitais do grupo do Porto e das Descobertas, em Lisboa, oferece um kit com cartões ilustrados para a mãe celebrar os momentos mais marcantes da gravidez. Já o bebé recebe um kit para mais tarde recordar o primeiro ano de vida. Cartões mensais dos grandes acontecimentos desde o nascimento, como o dia em que deu os primeiros passos. Ambos incluem um vale de cinco euros para gastar nas farmácias associadas. «É um miminho para recordarmos mais tarde. É sempre uma fase bonita da vida de uma mulher».


Andreia Vasconcellos conta a sua experiência com um filho portador de trissomia 21 no blogue "Tomás My Special Baby"

Lá fora, Andreia é autora do blogue "Tomás My Special Baby", onde conta a experiência de ter um filho com Trissomia 21. Aqui dentro, é uma mãe com baixa de gravidez para se dedicar a cem por cento à família. Enfermeira especialista em Saúde Materna, Cármen Ferreira defende que este tipo de ofertas «ajuda a criar um elo de ligação com os casais». 


A enfermeira Carmen Ferreira diz que a oferta «ajuda a criar um elo de ligação com os pais»

As famílias reagem positivamente quando no momento feliz de levarem o filho para casa são surpreendidas com a oferta. Cátia Reis – enfermeira de referência do piso 3 onde as recém-mães estão internadas – realça que os pais adoram a ideia de tirar a fotografia até aos 12 meses. Fala de «uma memória eterna».



A enfermeira Catia Reis oferece o kit à mãe Ana Rita

Depois de uma gravidez tranquila, Ana Rita Escobar Neto fez uma cesariana de última hora. Assim nasceu, há três dias, o Rodrigo, que agora se prepara para conhecer o ninho. O casal veio parar à CUF atrás da obstetra de uma amiga. E não se arrependeu. «Gostámos muito de ter o bebé aqui, sentimos uma proximidade muito grande por parte dos profissionais de saúde». Ana Rita acha o presente das farmácias «mesmo muito giro» e original. Quando perguntamos em que vai ser investido o vale, o pai, Filipe, responde «provavelmente em fraldas, porque o Rodrigo é um profissional a gastá-las».

A história de Joana Abreu é ligeiramente diferente. Foi-lhe detectada diabetes gestacional, que a obrigou a ter cuidados acrescidos com a gravidez. Foi sempre acompanhada no Hospital CUF Descobertas. Diogo nasceu há dois dias. Esboça sorrisos típicos de recém-nascido, sem dar qualquer sinal de fome ou de desconforto. Joana fez cesariana, porque a sua bacia não abre o suficiente para os bebés descerem. Com o filho mais velho aconteceu o mesmo. Duarte, de dois anos e meio, mal pôs os olhos no irmão «fartou-se de lhe dar festinhas e beijinhos». O pai, Luís, que assistiu ao parto, fala da sensação que é «ouvir o choro do bebé pela primeira vez». Com um sorriso, Joana recebe o kit bebé e comenta que o vale é bem-vindo: «Precisamos sempre de qualquer coisa da farmácia».

Pandas, meninas, meninos, girafas, macacos e coelhos de peluche povoam as paredes brancas da sala de espera das consultas de pediatria. Avós cantam lenga-lengas, que alternam com choros de bebés gorduchos em passeio com os pais nos carrinhos de recém-nascido. É neste ambiente descontraído que falamos com a professora Ana Neto, pediatra e coordenadora do Centro da Criança e Adolescente. Segundo esta especialista, é importante «em todas as profissões que têm intervenção na área da saúde criar sinergias e complementaridades» e o kit bebé é um bom exemplo disso. Iniciativas como esta geram familiaridade entre a mãe e o pediatra, numa relação cada vez mais informal.

Pedro Ferreira, director-geral das Farmácias Portuguesas, também valoriza essa cumplicidade. O objectivo é «dar às mães um miminho, numa altura em que as relações humanas ganham uma importância maior», expõe o farmacêutico. Pedro Ferreira realça que as farmácias são o primeiro ponto de apoio das mães na comunidade.

Margarida Gonçalves, directora de comunicação da José de Mello Saúde, considera que «o utente é o maior beneficiário de uma relação estreita entre médicos e farmacêuticos». A relação entre a CUF e as Farmácias Portuguesas visa melhorar a experiência dos utentes, unindo «a prestação de cuidados médicos de excelência ao atendimento personalizado na farmácia».
Notícias relacionadas