Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
1 março 2019
Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra) Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra)

Pai é pai

​​​​​​​​​​​Deve participar nas rotinas e nos momentos especiais.

Tags
​É cada vez mais frequente ver os pais envolvidos no dia-a-dia dos filhos e isso é benéfico para todos: pais, filhos, mãe e família. É mais justo para a família, uma vez que as mães têm igualmente vida profissional. Para as crianças, as vantagens são notórias no desenvolvimento emocional e social. Há pequenos detalhes que vão fazer diferença:

  • Rotinas diárias
Situações como o banho, adormecer, levar e ir buscar à escola passam a mensagem aos filhos de que o pai está genuinamente presente. E é mesmo assim que deve ser.

  • Festas escolares e actividades lúdicas 
Todos os filhos gostam de ver os pais presentes nas festas e actividades. Por vezes causa-lhes alguma ansiedade e maior sentido de responsabilidade, o que acaba por ser também interessante no desenvolvimento.

  • Reuniões escolares
Tradicionalmente era uma área entregue às mães, muito pelas dificuldades laborais dos pais. Essas dificuldades são agora partilhadas, com carreiras a serem geridas por ambos, pelo que a divisão de tarefas deve acontecer de forma natural. Mais uma vez, a mensagem que se passa para os filhos é que o pai também está presente e isso é claramente positivo.

  • Consultas
Cada vez mais se vê pais nas consultas com os filhos, o que é muito interessante, por dois aspectos principais. Em primeiro lugar, porque leva a um maior envolvimento nesta área e, em segundo, porque as próprias dúvidas e preocupações são diferentes das mães. A complementaridade é benéfica para toda a família.




INTRODUÇÃO AOS SÓLIDOS

(Helena Pinheiro)
Tenho três filhos, o mais novo com quatro meses. Todos tiveram diferentes planos alimentares. O mais velho foi o primeiro acompanhado pelo médico de família, o segundo pela pediatra e este novamente pelo médico de família. A minha questão é relativa à idade de introdução de novos alimentos, principalmente a alimentação sólida.
A introdução dos novos alimentos pode ser feita a partir dos quatro meses, embora o ideal seja fazê-lo aos seis meses. Segundo a forma tradicional, os sólidos devem ser introduzidos a partir dos oito/nove meses. Actualmente existem abordagens diferentes, como a introdução logo de início (Baby Led Weaning).

SONO

(Filipa Flora)
Tenho um bebé de 13 meses e há noites que dorme muito mal. Será dentes, picos de crescimento, será falta da mãe, visto que já está no quarto dele?
Com essa idade podem ser todos os motivos que listou. De qualquer forma, o mais importante é tentar garantir que o seu filho dorme o que deve em quantidade e qualidade.


Pergunte ao pediatra:
O dr. Hugo Rodrigues responde.
Notícias relacionadas