Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
31 agosto 2018
Texto de Sónia Balasteiro Texto de Sónia Balasteiro Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Os autores que as inspiram

​​​​​​​​​O que lêem as escritoras de “Uma Aventura”, desde os autores do século XIX às autobiografias.

Tags
Entre as grandes referências literárias de Ana Maria Magalhães estão os autores do século XIX. «Não quer dizer que não goste dos autores do século XX, mas sou fã dos do século XIX», diz, precisando de imediato: «O Eça de Queirós para mim é um deus da literatura!». Gosta também especialmente de Alves Redol. É deste escritor português o “Barranco dos Cegos”, que Ana Maria Magalhães considera um dos grandes romances do século XX.

Isabel Alçada, pelo seu lado, prefere leituras mais contemporâneas. Assumindo-se fã incondicional de Philip Roth, diz gostar das suas personagens complexas. Admira de tal forma este escritor norte-americano que considera «inacreditável» ele não ter ganho o Prémio Nobel.

Ambas as autoras lêem biografias, sobretudo autobiografias. «Até de pessoas que não são escritores conhecidos. Por exemplo, as pessoas que viveram em África, os colonos», precisa Ana Maria Magalhães. «O Rentes de Carvalho é óptimo», completa Isabel Alçada. 

 

Para conhecer mais desta história, peça a #RevistaSaúda deste mês na sua farmácia.​
Notícias relacionadas