Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
5 maio 2022
Texto de Sandra Costa Texto de Sandra Costa Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Vídeo de André Torrinha Vídeo de André Torrinha

«Cultura é educação, não é privilégio»

​​​​​​​​​​Para a atriz Teresa Tavares, a cultura é «um bem essencial, a par da saúde e educação».​

Tags

​«No nosso país todos temos acesso à educação. No caso da cultura ainda se pensa que é um privilégio», diz Teresa Tavares. O passar dos anos trouxe algum reconhecimento da cultura como «um direito essencial», mas a atriz ainda ouve dizer, demasiadas vezes, «isso são os assuntos do vosso meio». Está errado, defende: «A cultura é um bem essencial, em paralelo com a saúde e educação. É uma forma de educar genericamente a população, dá-nos consciência de grupo e pertença». 

O papel do Estado é relevante, pois sem o subsídio estatal à cultura não seria possível ver espetáculos com bilhetes a 10 euros, lembra.  «É importante um país que mantém os seus agentes culturais ativos e onde todos encontramos a nossa voz». A atriz, que em junho estará nas salas de cinema com o filme Revolta, de Tiago R. Santos, defende que a cultura tem um papel transformador. «Através da cultura espelhamos o país, mas também o influenciamos e transformamos. É importante ter essa consciência».​