Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
1 abril 2020
Texto de Marta Xavier Cuntim (psicóloga clínica) Texto de Marta Xavier Cuntim (psicóloga clínica)

Casais 24 horas juntos: será importante criar bolhas de momentos a sós?

​​​​​​​​​​​​​​​​​​​A convivência constante pode criar discussões​.

Tags
À excepção da lua-de-mel e dos 22 dias de férias anuais, são muito poucos os casais habituados a passar 24 horas juntos, sete dias por semana. Se para alguns é positivo, porque têm oportunidade de conversar, namorar, fazer algumas actividades juntos e as tarefas do dia-a-dia com mais calma, para outros casais esta convivência constante pode ser um motivo de discussão ou tensão.

Na terapia de casal, diz-se que 1+1=3. 1 é cada um dos membros do casal, sendo o 3 o casal em si. O que isto nos quer dizer é que nenhum dos membros do casal se deve anular em função do outro e devem manter os próprios interesses e dinâmicas. 

Em situações de teletrabalho com os dois elementos do casal em casa e a trabalhar em simultâneo, pode ser importante estabelecer algumas regras:

1. Escolham lugares ​distintos para trabalhar. Se um trabalha no escritório, o outro pode trabalhar na cozinha ou sala, ou outro local;

2. Almocem e jantem juntos;

3. Dividam as tarefas domésticas;

4. Tirem momentos a sós para fazer alguma actividade que gostem, por ex., fazer uma aula de yoga, tomar um banho de banheira, ver um filme que queria muito a sós, ler o livro que está na mesa de cabeceira há meses, uma aula de crossfit na varanda.