Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
16 outubro 2020
Texto de Irina Fernandes Texto de Irina Fernandes Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Bernardino Soares: «As farmácias podem e devem ser aproveitadas»

​​​​​​​​​​​150 mil portugueses vão poder vacinar-se numa farmácia ou centro de saúde sem custos e sem receita.

Tags

«Em contexto de pandemia da COVID-19, a vacinação contra a gripe é ainda mais importante.  Este programa vai permitir utilizar um recurso extraordinário, que são as farmácias comunitárias, com proximidade, segurança e competência técnica», afirmou o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, na cerimónia de assinatura do protocolo do “Vacinação SNS Local”. Estabelecido entre a Associação Nacional das Farmácias (ANF) e o Ministério da Saúde, este programa vem permitir que, a partir de segunda-feira, dia 19 de Outubro, os cidadãos com mais de 65 anos possam escolher vacinar-se gratuitamente, e sem receita médica, numa farmácia da sua preferência ou no centro de saúde.
​​


Pela primeira vez, o Ministério da Saúde assegura a distribuição através das farmácias de, pelo menos, 10 por cento do contingente de vacinas adquiridas pelo SNS, o que corresponde a cerca de 150 mil doses da vacina da gripe.

«As farmácias têm uma capilaridade muito grande no território, permitem uma proximidade que mais nenhuma infra-estrutura de saúde tem. Podem e devem ser aproveitadas, não em substituição do SNS – não esvaziando os centros de saúde e as unidades de cuidados de saúde primários – mas sim em complementaridade, pela sua proximidade e expressão no território. O caso da vacinação contra a gripe é um bom exemplo disso», disse ainda o autarca de Loures. 



Recorde-se que o projecto-piloto de vacinação contra a gripe “Movimento Loures Tem + Saúde”, implementado nas farmácias de Loures nos dois últimos anos, permitiu aos munícipes vacinarem-se numa farmácia, sem custos e nas mesmas condições que no centro de saúde, de que resultou um aumento de 33 por cento na imunização da população com mais de 65 anos​.

«A vacinação contra a gripe é ainda mais importante este ano. Não seria compreensível que, num ano em que a pandemia está tão forte, nós recuássemos na disponibilidade das vacinas nas farmácias, que era o que aconteceria se não tivéssemos este protocolo entre o município, a Associação Dignitude e a Associação Nacional das Farmácias», considerou Bernardino Soares. 

​Também presente na cerimónia protocolar, o presidente da ANF manifestou total satisfação com o acordo estabelecido, defendendo que o novo serviço farmacêutico «vem melhorar a cobertura vacinal», «numa uma época gripal diferente, num contexto completamente diferente».

«No momento actual, estamos a prevenir duas infecções. Quem escolhe vir à farmácia vacinar-se está a prevenir-se contra o vírus da gripe e também a prevenir um maior risco de infecção pelo vírus SARS Cov-2, que causa a COVID-19», disse Paulo Cleto Duarte, sublinhando que «este movimento é fundamental para trazer alguma descompressão ao sistema [nacional de saúde], que neste momento está sobre grande pressão».



A embaixadora da Associação Dignitude, Maria de Belém Roseira, vê o novo programa “Vacinação SNS Local” como «uma alegria, num momento mais difícil», que vem «dar continuidade à cultura de vacinação».

«Vamos garantir o que é importante, que é a população proteger-se da gripe», afirmou a antiga ministra da Saúde.
Notícias relacionadas