Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
5 outubro 2018
Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra) Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra)

Atch... não!

​​​​​​​​Como ajudar as crianças a evitar contágios.​​

Tags
A gripe é altamente contagiosa. Saiba como minimizar o risco de contágio das crianças:

• Lavar as mãos
Esta é a medida mais eficaz para prevenir a transmissão da doença. Todas as crianças devem aprender a fazer uma correcta higiene das mãos desde pequenas. Os adultos devem servir de (bom) exemplo.

• Limpar as superfícies contaminadas
As gotículas respiratórias que andam no ar depositam-se nas superfícies (móveis, brinquedos). É importante lavar as áreas adequadamente. 

• Espirrar e tossir para o cotovelo
As crianças devem saber porque é errado espirrar ou tossir para as mãos: o vírus vai-se depositar em todos os locais. Explique como usar um lenço ou ensine a espirrar para o cotovelo. 

• Renovar o ar
É muito importante que o ar seja renovado, principalmente quando existem pessoas doentes. Claro que no Inverno é mais complicado por causa da temperatura, mas os espaços fechados são mais propícios à transmissão de doenças.

Para além destas medidas, importa frisar a questão da vacinação. Apesar de haver alguns países que recomendam a administração da vacina da gripe a todas as crianças a partir dos seis meses, a Sociedade Portuguesa de Pediatria (tal como acontece na maior parte dos países europeus) defende que essa não é a melhor opção. Assim, as recomendações portuguesas são para administrar a vacina apenas a  crianças de risco: que tenham algum tipo de doença crónica, contactem com outras pessoas pertencentes a grupos de risco ou apresentem obesidade mórbida. Na dúvida, convém sempre  questionar o médico assistente sobre estas indicações.


PRISÃO DE VENTRE

A minha filha de sete anos queixa-se de dores na barriga de lado, perto e abaixo do umbigo. Está com muita energia e dorme bem mas sempre teve prisão de ventre. É muito ansiosa e tensa. Por mais que eu converse, não funciona. O que pode ser? 
Pela sua descrição, a dor de barriga pode estar relacionada com a dificuldade na evacuação das fezes. Nesses casos, o ideal é aumentar a ingestão de fibras (legumes verdes e frutas como citrinos, ameixa, kiwi e papaia) e evitar os alimentos que dificultam o trânsito intestinal (batata e banana, por exemplo). Se mesmo assim não resultar, pode fazer sentido dar um laxante pediátrico, mas apenas sob aconselhamento médico.

REGRESSO AO TRABALHO

Comecei a trabalhar há dias e o meu filho recusa-se a comer. Nem com o pai nem com a avó. Tem seis meses e ainda lhe dou mama. Como devo proceder? Estou desesperada.
Essas situações são relativamente comuns, principalmente quando os bebés são amamentados, porque estabelecem uma relação muito próxima com a mãe nos momentos da refeição. De qualquer forma, é uma situação temporária e geralmente passa por si sem grande problema. Se vir que está a ser um pouco mais difícil, tente, mesmo quando está em casa, que seja outra pessoa a dar as refeições (excepto o leite materno, como é lógico), para ver se acelera a adaptação.

Pergunte ao pediatra:
pediatria@sauda.pt
O Dr. Hugo Rodrigues responde.​
Notícias relacionadas
Links relacionados