Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
4 agosto 2018
Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra) Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra)

A escova não pode parar

​​​​​​​​​A higiene oral nas férias.

Tags
Nas férias é normal relaxarmos e a higiene oral pode ser descurada. É importante não ceder neste ponto. Veja como acautelar erros normais:

  • Mantenha como prioridade a lavagem dos dentes das crianças, mesmo que o tempo seja mais reduzido ou as crianças estejam mais cansadas. Bastam dois minutos. Se o seu filho estiver muito cansado, pode ajudá-lo, ou até escovar os dentes por ele, mas não deixe que se habitue a não o fazer. O objectivo não é ‘massacrá-lo’ mas demonstrar a importância da higiene, porque os dentes também ‘trabalham’ todos os dias.

  • Compre um kit de viagem. Há algumas opções de escovas e pastas de dimensões reduzidas, que pode levar consigo, pelo que não se justifica a desculpa de não ter uma escova de dentes no local onde janta. Eu sei que pode parecer estranho lavar os dentes numa casa de banho pública, mas acho que pode e deve ser um hábito a incentivar, logo desde a infância

  • Tenha cuidado com os doces em demasia. Nesta altura do ano é frequente haver algum excesso no consumo de gelados e sumos, que são alimentos muito ricos em açúcares e com um potencial cariogénico muito elevado. É fundamental não abusar e, quando o fizerem, deve reforçar a necessidade de escovar os dentes 

Para manter os dentes saudáveis aconselha-se lavar os dentes pelo menos duas vezes por dia (sendo uma dessas vezes obrigatoriamente antes de dormir). O dentífrico tem de conter 1000-1500 ppm de flúor, no mínimo.



[Tiele Andrade]
Tenho um filho de seis anos que se queixa frequentemente de dor de barriga sempre que come alguma coisa. Às vezes dou simeticona para os gases mas não sei se poderá ser alguma coisa mais.
As dores de barriga são muito frequentes em crianças e é importante perceber se existem sinais de alarme (acordar de noite por causa das dores de barriga, dores que interferem claramente no dia-a-dia e nas brincadeiras, associação a emagrecimento, palidez ou vómitos repetidos ou então diarreia frequente e com sangue). Se não estiverem presentes estes sinais, pode efectivamente ser devida à acumulação de gases. Nesse caso pode fazer sentido testar uma dieta sem lactose, para ver se melhora. Outra causa possível é a existência de parasitas (nesses casos deve falar com o médico assistente para ponderar a administração de um desparasitante).

[Cristina Sousa]
O meu filho tem quatro anos e não está a comer bem, queixando-se de muitas dores na barriga. O que pode ser?
O apetite das crianças dessa idade varia essencialmente em função dos seguintes factores:
  • velocidade do crescimento
  • ​o crescimento não é linear, tem picos e momentos em que fica mais estagnado, o que faz variar as necessidades energéticas, e isso reflecte-se no apetite
  • estado de saúde – quando as crianças estão doentes comem menos; trata-se de uma resposta normal do organismo 
  • preferência da criança – como é lógico, elas acabam por comer melhor o que gostam mais e pior o que gostam menos

Pergunte ao pediatra: 
​O Dr. Hugo Rodrigues responde.​​
Notícias relacionadas
Links relacionados