Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
3 maio 2019
Texto de Irina Fernandes Texto de Irina Fernandes Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

As primeiras corridas de… mota

​​​​​​Piloto portuguesa iniciou-se no desporto todo-o-terreno com uma mota.

Tags
Natural do Montijo, Elisabete Jacinto tinha 24 anos quando se perdeu de amores pelo universo motorizado. Incentivada por amigos, com quem já fazia passeios ao fim-de-semana, participou na primeira prova, a Grândola 300, em 1992, na Serra de Grândola.

«Um dos meus amigos quis participar e desafiou os restantes. Eu, como boa rapariga, pus-me à parte do grupo. Achava que não estava apta porque não tinha técnica nem física. Ora, se andava 50 km ao fim-de-semana e ficava logo cansada, questionava-me como é que iria fazer 300 km em cima de uma mota!», recorda. 

No entanto, não chegou a concluir a prova.

«Recordo-me que tinha muitas dores no corpo e que já não me conseguia mexer em cima da mota. Cerrava os dentes e pensava para mim: “Tenho de conseguir! Tenho de conseguir!”. Acontece que caí dentro de água e não consegui logo levantar a mota do chão. Como não trabalhou mais, tive de desistir da corrida».

Até hoje, Elisabete Jacinto não esquece a adrenalina e o entusiamo que sentiu durante aquelas horas. 

«Se fossem perguntar quem era a pessoa mais feliz daquela corrida, não era o rapaz que tinha ganho, era eu!», lembra visivelmente entusiasmada.  

Estava feliz porque tinha conquistado «muito mais do que aquilo que pensava ser capaz». «Nessa prova fiz 270 quilómetros. A partir daí fiquei verdadeiramente apaixonada por todo-o-terreno. Passava os dias a pensar no que poderia fazer para melhorar a minha técnica e em como poderia arranjar dinheiro para competir. Nunca mais parei e fui a todas as provas do campeonato nacional».

Para conhecer mais desta história, peça a #RevistaSaúda deste mês na sua farmácia.​