Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
10 dezembro 2018
Texto de Vera Pimenta Texto de Vera Pimenta

A farmácia a um voo de distância

​​​​​​​​​​​Medicamentos que chegam de drone? Parece um cenário de filme, mas em Lajeosa do Dão já é uma realidade.

Tags
Terça-feira à tarde, 15h de um dia solarengo. O farmacêutico Hugo Ângelo acaba de pousar o drone no chão, em frente à fachada da Farmácia da Lajeosa. Ao lado está o computador, com a rota de viagem preparada. Um clique no botão. Contagem decrescente para a descolagem. 3, 2, 1 e levanta voo, subindo rapidamente até se perder de vista.



De olhos postos no céu, as pessoas que passam na pacata vizinhança da Lajeosa do Dão admiram a agilidade da engenhoca. Um ano após o arranque dos testes, a população ainda se deixa surpreender pelo cenário de filme futurista. Talvez não imaginem que, numa situação de emergência, esta máquina poderá salvar-lhes a vida. Graças à inovação tecnológica, Adelaide Melo, de 62 anos, vai receber em sete minutos um medicamento que, tradicionalmente, demoraria mais de 20 a ser transportado. Para a farmácia, o custo da electricidade necessária ao voo será inferior a dois cêntimos.


Um ano após o início dos testes, a população ainda se deixa surpreender pelo cenário de filme futurista​

O aconselhamento, feito através de vídeoconferência, garante a máxima segurança na toma do medicamento. «Este é o aspecto basilar deste processo», começa por dizer Hugo Ângelo. «Apesar de estarmos a falar de uma tecnologia, temos de a tornar o mais humana possível», expõe o director-técnico, de 42 anos. Para ele, o mais importante é continuar a reforçar a relação de confiança com o utente. «Sem isso, o projecto não faria sentido», remata.


O aconselhamento por videoconferência «é o aspecto basilar deste processo», afirma o farmacêutico Hugo Ângelo

Depois duma fase de voos de teste, a farmácia iniciou o transporte de medicamentos através do drone autónomo, para as cinco rotas pré-definidas, com aprovação do Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, e da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC.


A farmácia monitoriza a temperatura e a humidade ao longo do voo

Com o apoio da startup tecnológica Connect Robotics, a quem o drone é alugado, foi desenvolvido um software adaptado à farmácia, que permite monitorizar a viagem em tempo real. Ao longo do percurso, a farmácia acompanha a velocidade, altitude e autonomia da bateria, bem como o posicionamento GPS, a temperatura e a humidade. Para assegurar que o medicamento chega ao destino com segurança, o próprio contentor foi também pensado no sentido de manter as condições ideais de transporte deste tipo de produto.


O contentor foi concebido para as necessidades do transporte de medicamentos

Hugo Ângelo acredita que o projecto vencedor do Prémio João Cordeiro 2018 vem dar resposta a necessidades das farmácias e dos portugueses. E dá um exemplo: «Imaginemos uma população num local recôndito, que tem os acessos cortados pela neve. Com o drone nós conseguimos de forma rápida, eficaz e segura fazer chegar o medicamento ao utente», garante. Encomendas urgentes a armazenistas e optimização da gestão de stock entre farmácias do mesmo proprietário passarão também a ser possíveis com recurso a esta tecnologia.

Num cenário em que o céu já não é o limite, o próximo passo é implementar o drone na rotina diária.

O director-técnico da Farmácia da Lajeosa considera que «o futuro passa por este tipo de soluções» e sublinha a importância de as farmácias acompanharem a evolução tecnológica, rematando, com confiança: «O nosso sector tem de ser líder nestas transformações».
Notícias relacionadas