Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
5 maio 2018
Texto de Maria João Veloso Texto de Maria João Veloso Fotografia de Alexandre Vaz Fotografia de Alexandre Vaz

Uma aventura na Serra da Estrela

​​​​​​​Um Dia da Mãe muito especial, desta vez, a dobrar.

Tags
Vera está radiante e a Serra da Estrela tanto lhe traz memórias de infância enquanto filha, como lembranças recentes como mãe. Estes santuários da natureza põem as emoções à flor da pele, já que Vera apresenta a maternidade como algo irreproduzível em palavras. «É um amor inexplicável e infinito.». Segundo ela, o Dia da Mãe «é todos os dias, não é?», apesar de fazer sempre questão de, no primeiro domingo de Maio, em que se celebra oficialmente a maternidade, fazer um programa diferente. Desta vez vai celebrar duas vezes à conta do pequeno Rodrigo.

Por causa do azulão do céu, a neve da Serra da Estrela parece ainda mais branca e apetecível. À boa maneira beirã, Vera e Hugo insistem em levar-nos a lugares realmente especiais e a serra mais alta de Portugal continental deve ter sido inventada para figurar nas histórias de encantar que à noite adormecem as crianças. Hugo trouxe um trenó para que Rodrigo se estreie em grande na sua primeira descida. «O pai teve a ideia fantástica de trazer um trenó», explica Vera, enquanto o destemido bebé experimenta pela primeira vez deslizar na neve, com a ajuda da irmã Margarida.



Apesar de ter fugido do vento que se sentia na Torre (ponto mais alto da serra), a paisagem circundante é de cortar a respiração. Desde a nave de Santo António à barragem do Covão do Ferro. Parece que foi tudo pensado ao pormenorpara que este dia em família fosse mais que  perfeito. Com um sorriso rasgado ao vê-los tão divertidos, a mãe explica que «os filhos são o espelho daquilo que nós somos». E aproveita o embalo para, com voz embargada, confessar: «Se sou a mãe que sou, devo-o à minha mãe, pelos valores que me transmitiu. Espero um dia ser para os meus filhos o que a minha mãe é para mim.»


Notícias relacionadas