Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
8 fevereiro 2021
Texto de Carina Machado Texto de Carina Machado Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Missão cumprida

​​​​​​​​650 mil portugueses vacinados contra a gripe nas farmácias.

Tags
​As farmácias vacinaram 650 mil portugueses contra a gripe em todo o território. Um crescimento de 19,7 por cento em relação ao ano passado, em que dispensaram 543 mil vacinas. No dia 19 de Outubro, 67 mil portugueses vacinaram-se numa farmácia da sua preferência, um recorde absoluto.
«Foi uma data histórica, porque ficou demonstrada a capacidade da nossa rede para vacinar, pelo menos, meio milhão de pessoas por semana», declara Cristina Gaspar, vice-presidente da Associação Nacional das Farmácias (ANF).


Farmácias provaram que podem vacinar meio milhão de pessoas por dia, sem alterar a sua rotina de trabalho​

A vacina da gripe faz parte do Programa Nacional de Vacinação. Com a pandemia, era natural um crescimento da procura. O Ministério da Saúde adquiriu dois milhões de doses. As farmácias tiveram acesso a 440 mil doses, limite disponibilizado pela indústria farmacêutica depois de satisfazer a encomenda do Estado.

O problema é que os pedidos e as reservas de vacinas foram cinco vezes superiores ao ano passado. «Registou-se um crescimento exponencial e inédito da procura de vacinas da gripe nas farmácias, por parte da população portuguesa», declara João Norte, CEO da HMR, multinacional portuguesa de informação e estudos de mercado de produtos ​farmacêuticos.

No início de Janeiro, a comunicação social divulgou que muitos centros de saúde, sobretudo na região Norte, ficaram com sobras de milhares de vacinas. Na rede de farmácias, isso não aconteceu: foram todas administradas.

Para além das 440 mil vacinas adquiridas junto da indústria farmacêutica, as farmácias vacinaram 200 mil pessoas maiores de 65 anos, para além de 10.000 colaboradores das próprias equipas, ao abrigo do Programa Vacinação SNS Local. Para garantir a equidade do acesso em todo o território, a Associação Dignitude comparticipou esse serviço, de forma universal: cada farmácia vacinou, pelo menos, 50 pessoas. Nalguns concelhos, foi possível ir para além desse limiar, graças à comparticipação das câmaras municipais. O preço do serviço de administração da vacina foi de 2,5€, que «não cobre os custos em formação, instalações e equipamentos, materiais de desinfecção, horas de trabalho e risco», declara Cristina Gaspar.



As farmácias já vacinam a população há 12 anos contra a gripe. Estão prontas a fazer o mesmo para combater a pandemia. A Ordem dos Farmacêuticos, a ANF e a Associação de Farmácias de Portugal (AFP) já manifestaram «total disponibilidade» para integrar o dispositivo de vacinação contra a COVID-19. Num comunicado conjunto, emitido em 2 de Dezembro, aquelas organizações afirmam que os farmacêuticos querem «contribuir para que a vacina chegue a quem dela precisa, de forma segura e rápida».

A Associação de Distribuidores Farmacêuticos (ADIFA) também garantiu ao Governo condições para a distribuição segura das vacinas em todo o território, mas lamentou ter ficado de fora da discussão do plano. «As farmácias são fundamentais para assegurar a vacinação em massa», declarou Nuno Cardoso, presidente da ADIFA, ao jornal Negócios.
Notícias relacionadas