Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
27 março 2020
Texto de Irina Fernandes Texto de Irina Fernandes

COVID-19: Emergência abem: ajudar sem sair de casa

​​​​​​​​​​O plano Emergência Abem: COVID-19 foi criado para levar medicamentos e produtos de saúde a quem não pode sair.​

Tags
«Temos de garantir que os mais frágeis continuam a aceder aos medicamentos, produtos e serviços de saúde de que precisam no momento em que lhes é pedido para não saírem de casa», explica Maria de Belém Roseira, embaixadora da Associação Dignitude, promotora do Fundo solidário do medicamento.

Dos 13.343 beneficiários da rede solidária do medicamento, mais de cinco mil têm mais de 65 anos, um dos grupos de risco a quem é pedido para não sair de casa.

​A embaixadora da Associação Dignitude esclarece que a iniciativa pode ser alargada a novos beneficiários, referenciados por entidades parceiras locais como câmaras municipais, juntas de freguesia, IPSS, Cáritas e Misericórdias. Pessoas que, no momento actual, apresentam necessidades específicas, decorrentes da pandemia do novo coronavírus e do estado de emergência declarado no dia 18 de Março. 

Para responder a limitações criadas pela pandemia foi criado o Fundo Emergência abem: COVID-19, para o qual os portugueses são convidados a contribuir, na certeza de que todos os donativos efectuados são exclusivamente utilizados na aquisição de medicamentos, produtos e serviços de saúde para quem mais precisa. É possível ajudar:


  • Por transferência bancária, para o IBAN: PT50.0036.0000.99105930085.59

O Fundo arranca com um primeiro donativo da Associação Dignitude e da Fundação AGEAS, que contribuem com 25.515,58€.

 «Estamos a travar uma batalha à escala global a que ninguém pode ficar indiferente. Todos somos afectados pela pandemia COVID-19 e todos somos poucos para dar resposta a esta situação», sublinha Maria de Belém.​
​​​​​​​