Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
31 agosto 2018
Texto de Irina Fernandes Texto de Irina Fernandes Fotografia de Miguel Ribeiro Fernandes Fotografia de Miguel Ribeiro Fernandes

O queijo picante

​​​​Feito em exclusivo com leite cru de vaca.

Tags
Falar da ilha de São Jorge é falar do seu produto-rei: o queijo. Feito exclusivamente com leite cru de vaca, o queijo São Jorge pode chegar a pesar entre 10 a 12 quilos.

 «É um queijo que exige especial atenção à qualidade do leite. Por isso se diz que o leite de São Jorge é capaz de ser um dos leites com melhor qualidade do mundo», afiança Germano Bettencourt, farmacêutico jorgense.

Na ilha, a produção de leite tem destino traçado.  «O leite é todo direccionado para a produção do queijo excepto aquele que as famílias trazem para as suas casas», conta ainda o profissional lembrando que «já houve tempos em que se fazia manteiga mas, de momento, não se vende leite pasteurizado». 

Produzido em cooperativas de lacticínios, espalhadas um pouco por toda a ilha, entre as quais estão a “Lactaçores” ou a “Cooperativa Agrícola de Lacticínios dos Lourais”, o queijo São Jorge caracteriza-se pelo sabor e aroma forte. Afamado internacionalmente, a sua maturação pode durar meses ou anos. 

«Há quem o comercialize com dois meses de cura e esse é queijo chamado de pasta mole. Depois há o queijo com cura de quatro, sete meses, um ano, dois anos, etc. Quanto maior o tempo de cura mais seco e picante fica», explica Germano Bettencourt revelando que «o queijo mais apreciado pelo turista continental ou estrangeiro é o queijo mais seco e com mais tempo de cura».  

 

Para conhecer mais desta história, peça a #RevistaSaúda deste mês na sua farmácia.​​
Notícias relacionadas