Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
7 abril 2018
Texto de Maria João Veloso Texto de Maria João Veloso Fotografia de Ricardo Nascimento Fotografia de Ricardo Nascimento

Na arca de Noé

​​​​​Felicidade à solta no Zoo de Lagos.

Tags
​Uma piscina interactiva com visão subaquática dos afamados pinguins sul-africanos é a última cartada do Zoo de Lagos. 

Aberto desde Novembro de 2000 pela mão de Paulo Figueiras, este projecto «em que inicialmente ninguém acreditava» é hoje um caso de sucesso. O objectivo principal «é a conservação dos animais, sem descurar a educação do público», conta o mentor, que desde pequeno se sente ligado à vida animal. O dia está ameno, o termómetro ronda os 20 graus e de repente parece que aterrámos num planeta mais verde e feliz.

Os pais do Bebé Saúda Dinis Furtado “conhecem os cantos à casa” e contam que este zoo «faz parte do roteiro de fim-de-semana em família», a cerca de meia-hora de Portimão, onde vivem. Com uma vegetação exuberante e uma banda sonora feita do que imaginamos serem os barulhinhos da selva, mal entramos somos recebidos por um afável canguru imperturbável à nossa presença.



Amante de parques temáticos, Luís Furtado conta que Miguel – o filho mais velho – é também repetente nestas andanças e, além de o frequentar com os pais, já ali esteve com os avós. Com tantas vindas a este lugar encantado, Miguel interessa-se por todos os animais que por ali se passeiam, das aves aos répteis, mas já escolheu “A Quintinha” como «o» lugar de eleição. Monta o tractor, conversa e alimenta as cabrinhas ou corre atrás dos patos. O pai explica que esta afeição tem a ver com o facto de se sentir mais próximo dos animais da quinta, como os coelhos ou as galinhas, que se pode tocar e até alimentar. Ao colo da mãe Zara, Dinis segue-lhe as pisadas, ainda que timidamente. Afinal as cores, os cheiros e até a música que o rodeia compõem um admirável mundo novo que vê pela primeira vez. O pai fala dele como um bebé curioso que já vai atrás dos sons, tentando perceber de onde vêm. Para estreia, Dinis não se sai nada mal, fora um choro ou outro com um barulho mais feroz ou inesperado. De resto, a opinião geral é que aqui se passa uma tarde agradável num outro Algarve por descobrir, alheio às filas de trânsito e mares de gente.
Notícias relacionadas