Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
30 dezembro 2020
Texto de Hugo Rodrigues (pediatra) Texto de Hugo Rodrigues (pediatra) Ilustração de Joana Estrela Ilustração de Joana Estrela

Gastroenterite

​​​​​​​Para manter a criança hidratada, procure na farmácia soro de hidratação oral.

Tags
No Inverno, as doenças mais frequentes em idade pediátrica são as infecções respiratórias, mas há outras que surgem também nesta altura do ano. O principal exemplo são as gastroenterites, que, na sua maioria, são provocadas por vírus. Os sintomas mais frequentes são os seguintes:

  • Vómitos. Habitualmente são o primeiro sintoma a surgir. Duram, em média, dois a três dias e podem causar desidratação. Tratam-se reforçando a hidratação oral da criança (de preferência com um soro de hidratação oral, que se vende em todas as farmácias), mas sempre aos poucos, para não encher o estômago.

  • Diarreia. É o sintoma mais típico das gastroenterites. Muitas vezes surge só depois dos vómitos, mas pode também ser o primeiro a surgir. Dura, em média, quatro a cinco dias, mas pode ser mais prolongada. Raramente provoca desidratação isoladamente, mas é importante compensar essas perdas de líquidos através de um soro de hidratação oral.

  • Dor de barriga. É muito frequente e a característica mais comum é uma dor intermitente, que aumenta e diminui de intensidade de forma espontânea, difusa e que pode ser bastante intensa. Os analgésicos (paracetamol e ibuprofeno) não são muito eficazes para este tipo de dor, mas podem ser tentados.

  • Febre. Não é forçoso surgir, mas pode acontecer. O mais habitual é não ser muito elevada e, na maior parte dos casos, o estado geral da criança mantém-se bom quando baixa a febre.

    ​As gastroenterites são situações muito frequentes e, geralmente, não causam grandes complicações. No entanto, é sempre fundamental garantir uma correcta hidratação da criança, uma vez que a desidratação é a complicação mais frequente.​​



CONSULTÓRIO

(Márcia Morais) 
Tenho um bebé de 27 meses, que neste último mês se tem queixado de dores abdominais. No início teve prisão de ventre, associada a dores abdominais. Entretanto ficou também com febre de 38 e 39ºC uns três dias seguidos, o que fez com que me deslocasse às urgências por duas vezes. Foi prescrito um laxante e melhorou. Quando apresenta estes sintomas, temos o cuidado de lhe dar leite e iogurte sem lactose. Hoje voltou a ter dores abdominais. É preocupante esta reincidência?
Pela descrição não me parece propriamente preocupante, mas sendo recorrente acho que faz sentido ser observado. De qualquer forma, um probiótico pode ajudar, pelo que aconselhava a sua toma.

(Hercília Atuata) 
Qual é o benefício da desparasitação? Quando é que deve ocorrer e com que frequência?
Actualmente a desparasitação já não está recomendada por rotina em Portugal. As indicações são as seguintes: 
  • Suspeita de infecção por parasitas. Se houver sintomas sugestivos, como dor de barriga crónica ou recorrente, perda de peso, diarreia crónica ou comichão no ânus, por exemplo. 
  • Contacto evidente com parasitas. Se houver em casa um animal de estimação que tenha sido desparasitado e elimine parasitas nas fezes, faz sentido desparasitar também as crianças. Nestes casos, pode ser feita em qualquer idade, desde que se escolha o medicamento adequado.​
Notícias relacionadas