Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
27 junho 2019
Texto de Vera Pimenta Texto de Vera Pimenta Fotografia de José Pedro Tomaz Fotografia de José Pedro Tomaz Vídeo de Paulo Pimentel Vídeo de Paulo Pimentel

Cantar e dançar a memória

​​​​​​​​​​Trajes e cantigas que conservam a História de Santa Maria da Feira.

Tags
A ideia de conservar a tradição através da música e da dança nasceu em 1975. O Grupo de Danças e Cantares Regionais do Orfeão da Feira começava assim o seu percurso a dançar modas representativas de todo o país, desde o Minho até ao Algarve. 

Cinco anos depois, decide focar-se na preservação dos usos e costumes da então Vila da Feira. «Nesse ano e nos seguintes fez-se um grande trabalho de recolha, desde peças ligadas ao ciclo do linho até aos trajes, cantigas e danças», conta o director, Fábio Pinto. «Desde aí temos estado numa remodelação constante do grupo, principalmente ao nível do trajar e das cantigas», explica.

 

Membro da Federação do Folclore Português desde 2006, o Grupo dedica-se a proteger o património cultural da Feira, sempre de olhos postos no futuro: «Um dia destes os nossos trajes serão réplicas exactas do início do século XX».

Passado quase meio século, mudaram-se os tempos, mas não as vontades. Os trajes cosidos à mão, com os cós das saias franzidos à antigamente contam histórias dos serões de espadeladas do linho da região. Em roda, cantam-se e dançam-se memórias, embaladas pelo som do violino, da viola braguesa e do cavaquinho.

 
Notícias relacionadas