Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
20 março 2020
Texto de Sandra Costa Texto de Sandra Costa Fotografia de José Pedro Tomaz Fotografia de José Pedro Tomaz

COVID-19: Mudam as regras para doentes

​​​​​​​​​​​​​​Maioria dos doentes vai ser acompanhada em casa.

Tags
A Direcção-Geral da Saúde indicou novas regras na forma de atender os doentes, nesta fase de crescimento exponencial do número de infectados com o coronavírus em Portugal. «Vamos mudar a nossa forma de atendimento», indicou a directora-geral da Saúde, Graça Freitas. O Estado vai alargar o apoio a outros serviços de saúde e da rede social, para além dos hospitais de referência do Serviço Nacional de Saúde (SNS). A grande novidade para a maior parte das pessoas infectadas é ficar em casa e receber apoio no domicílio. As novas regras foram divulgadas por Graça Freitas e pelo secretário de Estado da Saúde, António Sales, na conferência de imprensa de 19 de Março.

Não saia de casa, use o telefone

  • Se precisar de um centro de saúde, comece por telefonar. Os centros de saúde estão a reforçar a sua capacidade de atendimento telefónico, garantiu a DGS. ​

  • Se sentir sintomas da doença, a primeira coisa a fazer é ligar para a linha telefónica do SNS24, através do número 808 24 24 24.

Fique em casa, mesmo doente

A casa é onde quase todos estamos e vamos ficar, mesmo que fiquemos doentes.

  • Se pertence a um dos grupos de risco tem de ficar em casa. Nestes grupos estão as pessoas com mais de 70 anos e/ou com doenças crónicas como diabéticos, hipertensos, insuficientes cardíacos, doentes oncológicos ou outros doentes imunodeprimidos.

  • Se, na triagem, for identificado como doente de baixo risco (com sintomas ligeiros a moderados) a convalescença será em casa com o acompanhamento dos serviços médicos de proximidade (médico de família, médico assistente, enfermeiro, equipa de saúde familiar ou delegados de saúde). Só mediante agravamento de sintomas deverá procurar um serviço de saúde. 

  • Quem estiver infectado no domicílio tem de cumprir regras de isolamento, para não contagiar o agregado familiar. 

Rede de saúde está a ser alargada

  • As associações de doentes, autarquias, Misericórdias e outras IPSS vão apoiar as autoridades de saúde no apoio aos doentes com COVID-19. António Sales pediu aos portugueses para confiarem «nesta rede».

  • Quase toda a rede hospitalar está apta a receber doentes com COVID-19, confirmou Graça Freitas. Tal implicou criar circuitos dentro do hospital, dividindo os doentes entre os que têm suspeita de infecção e os restantes.

  • Nos centros de saúde também estão a ser criadas áreas dedicadas a doentes com COVID-19.

Testes para pessoas sintomáticas 

  • A prioridade, nesta fase, é testar as pessoas sintomáticas e, entre estas, definir quem é prioritário. «Fará o teste quem mais necessite», disse Graça Freitas. 

  • A possibilidade de fazer testes em massa, como noutros países, depende da disponibilidade dos mesmos.