Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
31 agosto 2018
Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra) Texto de Hugo Rodrigues (Pediatra)

Aprender é uma festa

​​​​​​​​​A calma dos pais é fundamental.

Tags
​O regresso às rotinas traz alguma tensão, especialmente para as crianças que entram pela primeira vez na escola. É um período de adaptação, pelo que importa ter presente os seguintes cuidados:

  • ​Crianças pequenas – Creches e Jardins de Infância
Podem surgir mais birras e dificuldade na separação dos pais nos primeiros dias. Sobretudo as crianças que vão pela primeira vez para a escola ou mesmo aqueles que já andavam mas retomam as actividades depois das férias. Parece-me sensato que haja alguma condescendência no processo mas é importante não hipervalorizar essas situações. Se isso acontecer, a criança fica sempre na expectativa de conseguir alcançar os objectivos, prolongando a dificuldade de separação durante algumas semanas. O aspecto mais importante a estar atento é o comportamento da criança durante o dia. Se estiver feliz e adaptada será claramente uma situação transitória, que vai resolver rapidamente.

  • ​Crianças maiores – 1.º Ciclo do Ensino Básico
A entrada para o 1.º ano de escolaridade gera expectativas enormes. Por vezes coloca-se demasiadas pressões às crianças, nomeadamente advertindo em relação ao comportamento e ao ‘trabalho’, o que pode condicionar um pouco a adaptação. O ideal é tentar uma transição o mais natural possível, de forma a não haver grandes sobressaltos. Independentemente da idade da criança, o papel dos professores e educadores é sempre fundamental. É a eles (e aos auxiliares) que cabe a tarefa de receber as crianças e fazê-las sentir-se em casa. E não há nada melhor do que deixar uma criança na escola e sentir que quem a recebe o faz com todo o carinho e um sorriso nos lábios.



DOR DE BARRIGA
[Vivian Soares]
Tenho dois filhos, um com três e outro com cinco anos. O mais velho sente dor no umbigo, a barriga está sempre inchada e tem dores abaixo do abdómen. Mudei a alimentação dele retirando a lactose e melhorou. Mas fiz o mesmo com o mais novo e não melhorou. Tem dores de barriga todo o dia, está inchado, vomita e não quer comer. E está a perder peso muito rápido. Infelizmente, esta é uma das situações em que não é muito fácil ajudar à distância, uma vez que a perda de peso é um sinal de alarme em crianças. É um caso que exige observação médica presencial, pelo que o meu conselho é que fale com o seu médico assistente para tentar perceber a causa.

ENGOLIR AR
[Karina Bastos]
O meu bebé tem três meses e meio e, desde há alguns dias, quando acaba de beber o leite, chora imenso, sendo muito difícil acalmá-lo. Isto nunca tinha acontecido está a ser muito difícil de controlar porque não sabemos qual o motivo. Ele sempre bebeu muito bem o leite, até chegar ao ponto de querer mais, mas neste momento está a beber muito menos quantidade. Nessa idade é frequente os bebés beberem o leite muito rápido e, por esse motivo, engolir algum ar com a mamada. Pode ajudar trocar a tetina por uma que deixe passar menos ar e tentar insistir um pouco com ele para que arrote bem. Pode também ser útil dar um probiótico, para ajudar a equilibrar a flora intestinal e ver se melhora.

Pergunte ao pediatra:
pediatria@sauda.pt
O Dr. Hugo Rodrigues responde.
Notícias relacionadas
Links relacionados