Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
24 maio 2018
Texto de Sandra Costa Texto de Sandra Costa Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Via Verde alarga e chega à Madeira

​​Conheça os dez medicamentos incluídos na VVM.

Tags
Há dez novos medicamentos incluídos na Via Verde do Medicamento (VVM), a que correspondem 18 apresentações farmacêuticas. É o resultado de novo protocolo entre as principais associações da cadeia do medicamento: Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), Associação dos Grossistas de Produtos Químicos e Farmacêuticos (Groquifar), Associação de Distribuidores Farmacêuticos (ADIFA), Associação de Farmácias de Portugal (AFP) e Associação Nacional das Farmácias (ANF).

«É um passo no bom sentido, mas há ainda muito caminho a percorrer. A Via Verde do Medicamento deve integrar todos os medicamentos cuja continuidade terapêutica deva ser assegurada por razões de saúde pública, com os quais tenha havido problemas de abastecimento nos últimos meses», declara Nuno Flora, secretário-geral da ANF.

No ano passado, registou-se em Portugal 48 milhões de falhas de embalagens de medicamentos no momento em que as farmácias as pediram aos distribuidores. A VVM, criada em Julho de 2015, com o patrocínio do Infarmed, entidade reguladora do sector do medicamento, tem precisamente como missão promover o acesso dos doentes a medicamentos críticos, sem alternativa terapêutica e que apresentam disponibilidade reduzida no mercado. O objectivo prático é garantir que, no prazo de 12 horas, os medicamentos incluídos na VVM possam estar disponíveis em qualquer farmácia do país. O alargamento da VVM também se deu em termos geográficos, passando a incluir, desde 20 de Abril, a Região Autónoma da Madeira. Em comunicado, a ANF saudou a decisão do Governo Regional da Madeira de implementar a Via Verde do Medicamento no arquipélago. «Os madeirenses podem contar com as farmácias, até ao limite das nossas forças, para resolver o problema da falha de medicamentos», assegurou o presidente Paulo Cleto Duarte. A ANF mostrou-se ainda disponível para contribuir para a implementação, na Madeira, do regime de incentivos à dispensa de medicamentos genéricos, que em 2017 permitiu uma poupança adicional de 10,4 milhões de euros aos doentes no continente. Essa disponibilidade estende-se ao Programa Troca de Seringas, que está presente em mais de 1.640 farmácias e «é um importante contributo no âmbito da saúde pública para a redução da infecção VIH e Hepatites entre os utilizadores de drogas injectáveis».

Em 2017, as farmácias dispensaram mais de 115.000 kits. «Somos parceiros do Governo da República em todos os projectos favoráveis à materialização do direito à saúde dos portugueses. Somos também parceiros do Governo Regional em todos os projectos para fazer da Madeira um exemplo neste domínio», resumiu o presidente da ANF.


Notícias relacionadas