Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
1 julho 2017
Texto de Sónia Balasteiro Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Sónia Balasteiro
Ouvir é uma arte

​​​​Na associação Corações Com Coroa, Sara Matos é a porta-voz para a juventude. E tem aprendido muito.

Tags
Revista Saúda #21 Entrevista Capa Exclusivo online Vídeo
​Quando Catarina Furtado lhe fez o convite, ficou «orgulhosa». Desde 2015, é porta-voz para a juventude da associação Corações Com Coroa, que apoia mulheres em situação de vulnerabilidade e pobreza. 

Perante as novas funções, Sara Matos sentiu também receio, confessa: «Fiquei cheia de medo, porque era uma responsabilidade gigante. E pensei: “Mas o que é que eu tenho para ensinar aos outros? Na minha vida, só tenho aprendido”». F​​​oi Catarina Furtado, presidente da instituição, quem a ajudou a vencer o receio. «Ela disse-me uma coisa muito interessante: “A maior arte ou a maior aprendizagem que nós temos é saber ouvir”. E é isso que eu tenho de fazer. Ser o que eu sou, ouvir o que os outros têm para dizer».

 


Desde então, é o que faz. Aproveita o reconhecimento público para «dar voz a muitas pessoas que não têm voz». O caminho, diz Sara, tem sido de aprendizagem. «Comecei a ir às escolas de Norte a Sul. E comecei a ter conversas com os alunos das escolas. Em vez de ir estudar aquilo que tinha para dizer, eu simplesmente ouvi, debati, discuti e isso faz-nos ir a sítios onde ainda não tínhamos chegado». 

Além disso, sente curiosidade em relação a muitas coisas e tem «disponibilidade para as pessoas»: «Gosto muito de pessoas, gosto de conversar e de saber as suas histórias».
Notícias relacionadas