Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
17 outubro 2016
  Crianças
Texto de Hugo Rodrigues (pediatra) Fotografia de João Pedro Marnoto Fotografia de João Pedro Marnoto Texto de Hugo Rodrigues (pediatra)
Come a sopa

​A introdução aos sólidos pode ser mais fácil para o bebé se seguir algumas sugestões.​​​​​

A introdução de novos alimentos é sempre uma etapa pela qual todos os pais anseiam e que é (mais) uma óptima oportunidade para disfrutar do crescimento e desenvolvimento dos filhos.

Assim, faz sentido ter algumas noções sobre como o fazer, até porque existem recomendações formais das principais sociedades científicas pediátricas. Convém também fugir a fundamentalismos desnecessários, que só trazem receios e “dores de cabeça” evitáveis.

O primeiro aspecto a realçar prende-se com o timing da introdução dos alimentos. Hoje em dia, recomenda-se que se faça sempre depois dos quatro meses, de preferência o mais perto possível dos seis meses, meses e isto é válido para todos os bebés, quer façam ou não aleitamento materno exclusivo.
 
Não existe propriamente consenso sobre se se deve começar pela papa ou pela sopa, mas cada vez se aconselha mais a segunda. Isto prende-se com o facto de ter um sabor menos doce e, portanto, teoricamente, menos agradável. Deste modo, faz sentido começar por um alimento assim, pois a transição para a papa é mais fácil.

Se se começar ao contrário, a passagem para a sopa pode ser mais  complicada.

Aqui ficam alguns conselhos práticos para esta fase:

  • A sopa não deve ter sal, mas deve colocar cerca de uma colher de sobremesa de azeite (com baixa acidez) por cada prato
  • Não deve colocar mais de cinco a seis legumes por sopa
  • A fruta deve ser introduzida mal o bebé se habitue bem ao sabor da sopa (geralmente demora três a quatro dias desde a primeira refeição) e deve ser dada sempre à sobremesa
  • O glúten deve ser introduzido por volta dos seis meses, embora tal possa ser feito entre os quatro e os 12 meses
  • A carne deve ser iniciada pelos seis meses, cerca de de 15g por refeição
  • Aos sete meses o bebé deve passar a comer duas sopas por dia (sempre com a fruta como sobremesa) e pode introduzir os peixes brancos e as frutas tropicais (manga e papaia)

Estes conselhos são princípios gerais, que podem ser ajustados caso a caso e devem ser discutidos com o médico/ enfermeiro que acompanha o bebé. De qualquer forma, é fundamental ter sempre presente a ideia de que a alimentação não é só sabor mas também cor, texturas e socialização, pelo que todos esses aspectos devem ser trabalhados nesta fase. 

Posso congelar a sopa do meu filho?

Sim, pode!

A sopa, tal como grande parte dos alimentos, pode ser congelada sem que isso comprometa de forma significativa o seu valor nutricional. Não tem problema absolutamente nenhum e acaba por ser bastante prático, principalmente se o fizer já dividido por doses, o que facilita no momento de descongelar.

Claro que, como para tudo, há algumas  recomendações:

1. Deve preferir os recipientes de vidro aos de plástico, pois o vidro não se degrada e são mais inócuos para a saúde;
2. Se utilizar recipientes de plástico, tenha a certeza de que aguentam temperaturas de congelação (se não tiver essa informação, não utilize);
3. Deve retirar a sopa do congelador no dia anterior e colocar no frigorífico, para descongelar lentamente, e só depois aquecer;
4. O aquecimento pode ser feito de forma convencional (numa panela), em banho-maria ou no microondas.

A única ressalva que gostaria de fazer é sobre a sopa com espinafres, pois essa não deve ser congelada. Pode congelar os espinafres crus, mas não o deve fazer se eles estiverem cozinhados.
 
Quando posso introduzir o sal na comida?

Até aos 12 meses, as crianças não devem comer alimentos com sal (sopa, segundo prato e, eventualmente, pão), pois está provado que essa medida ajuda a diminuir a probabilidade de se vir a desenvolver hipertensão arterial.

No entanto, a partir dessa data o seu filho pode começar a ter uma alimentação "social", pelo que é inevitável o contacto com o sal. De qualquer forma, tente diminuir ao máximo esse consumo, pois os alimentos já contêm todo o sal de que precisamos, sem ser necessário que este seja adicionado à comida. Não se esqueça que enquanto as crianças não contactarem com o sal, não vão estranhar a falta de "tempero". 
Notícias relacionadas