Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Gato: Pulgas e carraças

Algumas doenças que afetam os animais, e que podem, em parte, ser evitadas com uma desparasitação, têm origem em parasitas externos, nomeadamente em pulgas e carraças.

 

A pulga, pela sua elevada capacidade de reprodução, consegue por dia, dar origem a outras 20, sendo que no final da sua vida reprodutora pode ter deposto ovos num volume equivalente a 1.500 vezes o seu próprio volume.

São os excrementos dos parasitas que permitem detetar a presença de pulgas no corpo do gato, embora a sua aparência possa levar a confundi-los com minúsculos grãos de areia negra. Existe, porém, um teste fácil que desfaz as dúvidas: recolhem-se alguns excrementos e colocam-se num algodão embebido em água oxigenada – os excrementos dissolvem-se, surgindo à sua volta um pequeno halo castanho-avermelhado.

As pulgas podem ser uma fonte de diversos problemas para a saúde do gato. Um deles é a dermatite alérgica à “saliva”, uma reação à substância que o parasita injeta no animal para que o sangue não coagule e, com isso, garantir o alimento. A picada deixa a pele irritada, fazendo com que o gato se coce.

O risco de infestação para o homem existe por contacto direto com as pulgas, quer no corpo do gato, quer no ambiente – é que estes parasitas podem instalar-se em locais húmidos da casa com ranhuras e frestas para a postura dos ovos.

Dado o risco para o gato e para as pessoas que com ele convivem, há que manter as pulgas ao longe. O que passa, antes de mais, por tratar o animal, com recurso a uma das várias substâncias desparasitantes existentes em farmácia:

  • Pulverizadores:  têm um efeito mais imediato

  • Coleiras anti-pulgas: são mais duradouras, desde que bem aplicadas.

  • Produtos em spot-on: são resistentes ao banho e a eficácia decorre do facto de, por conterem um excipiente oleoso, serem absorvidos pela gordura do animal, assim se dispersando por todo o corpo.

Outro dos parasitas externos que afetam o gato são as carraças. Estas instalam-se geralmente nas zonas de pele fina, como a face, o pavilhão auricular, as axilas e a região interna das coxas e, após penetrarem na pele do animal com a sua armadura bucal, segregam um excremento que as fixa mais solidamente. A partir desta altura, as carraças, começam a alimentar-se, o que fazem em duas fases – uma de engurgitamento lento e progressivo e outra mais rápida, que dura um a três dias, ao longo dos quais crescem bastante.

A sua presença num gato pode de imediato dar origem a uma reação alérgica no local da mordedura, tendo como sintomas: vermelhidão e inchaço. Estes podem ser agravados pelo comportamento do próprio animal: as arranhadelas e lambeduras favorecem infeções secundárias causadas por bactérias.

Outro risco associado às carraças é o da transmissão de doenças infeciosas, como a babesiose, mais conhecida por febre da carraça. Afetando sobretudo os gatos com menos de dois anos e causa:

  • inapetência

  • letargia

  • fraqueza

  • palidez das mucosas

  • mais raramente febre e icterícia

Para superar a doença, procede-se a tratamento antiparasitário e a terapêutica específica.