Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Infeções Sexualmente Transmissíveis – o que são, exatamente?

As infeções sexualmente transmissíveis (IST), muitas vezes denominadas doenças sexualmente transmissíveis (DST), são infeções cuja forma de transmissão mais frequente (mas nem sempre a única) é o contacto sexual.

 

Muitas podem ser transmitidas também de mãe para filho, durante a gravidez ou no momento do parto, por exemplo.

Estas infeções podem ser causadas por três grandes grupos de agentes infeciosos:

As IST, por vezes, traduzem-se no aparecimento de alguns dos seguintes sinais e sintomas:

  • Corrimento vaginal/peniano (na vagina, ou pénis, consoante o sexo);
  • Edema (inchaço) nos órgãos genitais;
  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Dor ou ardor durante as relações sexuais;
  • Dor abdominal;
  • Febre;
  • Erupções ao nível da pele.

No entanto, na maioria dos casos, estas infeções são assintomáticas (isto é, não têm sinais ou sintomas associados), o que pode comprometer o seu diagnóstico e tratamento, facilitando ainda a sua transmissão. Por outro lado, apesar de muitas terem cura (isto é, existe possibilidade de eliminar o agente infecioso do organismo do doente), existem várias que não, como a infeção por VIH.

Assim, a prevenção apresenta-se como essencial na abordagem a este grupo de patologias e passa, em grande parte, pelo uso do preservativo em todas as relações sexuais.

Por fim, se suspeita que pode ter uma IST, existe outro conjunto de cuidados que importa manter:

  • Procure um profissional de saúde, como o seu médico ou farmacêutico;
  • Fale abertamente com o seu parceiro sexual sobre eventuais sinais ou sintomas e/ou receios – se estiver em curso uma IST, mesmo sem sinais ou sintomas, esta pode ser transmitida entre parceiros sexuais;
  • Em caso de IST, muitas vezes, os parceiros sexuais deverão ser simultaneamente tratados e acompanhados por um profissional de saúde, mesmo que já não tenham sintomas.