Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Conhece a Doença do Beijinho?

A mononucleose infeciosa, também conhecida por doença do beijinho, é uma doença causada, na maioria dos casos, pelo vírus Epstein-Barr (EBV).

 

Esta doença é contagiosa e transmite-se através da saliva de uma pessoa com mononucleose e, como tal, o contágio pode ocorrer através de: um beijo (daí que seja vulgarmente conhecida como a doença do beijinho); partilha de copos ou talheres; gotículas da tosse e espirros. É mais comum em crianças, adolescentes e jovens até aos 30 anos.

Os primeiros sintomas surgem tipicamente 4 a 6 semanas após a infeção com EBV e incluem:

– cansaço extremo;

– febre;

– dor de garganta;

– dor de cabeça e muscular;

– nódulos linfáticos (glândulas localizadas, por exemplo, no pescoço) inchados;

– alterações na cor ou textura da pele;

– baço e fígado com tamanho aumentado (sintomas menos comuns).

O diagnóstico da mononucleose é feito com base nos sinais e sintomas da pessoa e através de análises ao sangue.

Não existe um tratamento específico para a doença e o repouso é fundamental nas primeiras semanas (enquanto os sintomas são mais evidentes). Podem ser recomendados medicamentos para o alívio de alguns dos sintomas, nomeadamente medicamentos para baixar a febre (antipiréticos como o paracetamol e a aspirina) e diminuir a dor (como o ibuprofeno).

Os sintomas vão desaparecendo gradualmente e, após 2 a 4 semanas, a maioria das pessoas já se sente bem. No entanto o cansaço poderá persistir durante mais algumas semanas.

Ainda que os sintomas possam influenciar o apetite, é fundamental que mantenha uma alimentação adequada de forma a fortalecer o seu sistema imunitário e ajudar na recuperação. Assim, recomenda-se que:

– adote uma dieta variada, equilibrada e rica: aposte em alimentos que reforçam o sistema imunitário como, por exemplo brócolos, espinafres, gengibre, alho, laranjas e kiwis;

– faça refeições leves e com alimentos mais moles: alimentos como sopas (canjas), leite, iogurtes e gelados são mais fáceis de engolir, sendo úteis em situações de dor de garganta;

– privilegie gorduras saudáveis: evite comer alimentos com muita gordura ou processados e prefira alimentos ricos em ómega 3 (como, por exemplo o salmão e as nozes), que contribuem para combater a inflamação;

– ingira bebidas frescas: de forma a evitar a desidratação, beba bastantes líquidos –  preferencialmente água (cerca de 8 a 10 copos de água diários); pode também recorrer a batidos, sumos de frutas e chás.

Para mais questões ou para tirar dúvida, dirija-se a uma Farmácia Portuguesa e coloque a sua questão a um farmacêutico.