Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Distúrbios do sono: a insónia

De acordo com a Associação Portuguesa de Sono, cerca de metade da população portuguesa é afetada por distúrbios (perturbações) do sono, sendo o principal a insónia, que afeta 25% da população.

 

É mais comum nas mulheres e caracteriza-se por um sono deficiente e/ou insuficiente. Este distúrbio pode envolver:

  • Dificuldade em adormecer;
  • Problemas na manutenção do sono (acordar várias vezes durante a noite);
  • Despertar precoce (antes do tempo considerado normal).

São diversas as situações que podem dar origem a uma insónia:

  • A idade;
  • Trabalho por turnos;
  • Jet-lag (desordem causada por viagens muito longas de avião através de zonas com diferentes fusos horários);
  • Stress: pode resultar de questões profissionais, relações pessoais, preocupações financeiras ou de ruído do meio envolvente;
  • Alguns produtos para emagrecer;
  • Determinados medicamentos, como por exemplo medicação para as dores, para a hipertensão, para a asma e para a depressão.

Quais os efeitos no organismo?

A falta de sono pode prejudicar as funções cerebrais, afetar o controlo hormonal e enfraquecer as defesas do organismo, podendo traduzir-se em:

  • Hipersonolência diurna (excesso de sono durante o dia);
  • Cansaço;
  • Irritabilidade;
  • Dificuldades de concentração;
  • Menor capacidade de memória;
  • Ansiedade;
  • Depressão.

Bons hábitos podem ajudar a prevenir insónias e promover um sono saudável.

Para isso mantenha os seus horários de acordar e de deitar consistentes de dia para dia (incluindo aos fins de semana) e evite:

  • Álcool e estimulantes como a cafeína e a nicotina (do tabaco);
  • Atividade física próxima da hora de deitar.

Como combater a insónia?

Regularize os seus hábitos de sono, melhore o ambiente do local onde dorme e procure resolver os problemas que lhe provocam stress;

Caso seja necessário, existem medicamentos que o podem ajudar a relaxar, a adormecer ou a manter um sono contínuo.

A insónia crónica (prolongada no tempo) demonstrou estar relacionada com o absentismo laboral (faltas ao emprego) e com o aumento do número de mortes causadas por doenças cardiovasculares (relacionadas com o coração), por doenças psiquiátricas e por acidentes de condução.  Por isso já sabe, se tem, de forma frequente, insónias, ou outro distúrbio do sono, dirija-se à sua Farmácia e encontrará profissionais de saúde disponíveis para o esclarecer e auxiliar e, sempre que necessário, reencaminhar para o médico.