Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Bombas de insulina – O que são?

De acordo com o Observatório Nacional da Diabetes, estima-se que, em 2015, mais de um milhão de portugueses, com idades entre os 20 e os 79 anos, tinham diabetes, sendo que esta doença se divide, de uma forma geral, em diabetes tipo 1 e tipo 2.

 

A diabetes tipo 1 surge quando as células responsáveis pela produção de insulina, no pâncreas, são gradualmente destruídas, produzindo pouca (numa fase inicial) ou nenhuma insulina. Na maioria das vezes, esta forma da doença surge em crianças ou adultos jovens.

O tratamento da diabetes tipo 1 consiste na administração de insulina, por injeção numa prega de pele, por norma, com uma caneta de insulina. No entanto, em alguns casos, o médico pode receitar outras opções, nomeadamente as bombas de insulina.

Uma bomba de insulina é um pequeno dispositivo eletrónico que liberta pequenas quantidades de insulina durante o dia, conforme as necessidades da pessoa. Tem aproximadamente o tamanho de um telemóvel e é usada numa bolsa ou colocada no cinto, bolso ou sutiã.

Contém um reservatório de insulina ligado a um fio fino e comprido que tem uma agulha ou cânula inserida debaixo da pele, na região da barriga. É através deste sistema que é libertada, para o organismo, a quantidade de insulina necessária.

A utilização de uma bomba de insulina, no tratamento da diabetes tipo 1, pode trazer benefícios, particularmente uma maior flexibilidade e um controlo mais adequado, uma vez que permite:

– adotar um estilo de vida mais independente, sem necessidade de injeções diárias, com canetas de insulina;

– dormir, sem haver preocupação com as variações dos níveis de açúcar no sangue durante a noite;

– um controlo mais discreto da diabetes;

-níveis de glicemia (açúcar no sangue) mais estáveis;

– menos episódios de hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue) e consequentemente um menor risco de complicações que dela possam advir;

– ajustar a quantidade a administrar, caso as necessidades de insulina se alterem drasticamente, como por exemplo antes, durante e após a gravidez.

A bomba de insulina funciona sem parar, de acordo com um plano único dirigido a cada utilizador. É uma alternativa que o médico pode considerar adequada, caso o doente cumpra determinados critérios. Seja qual for o caso, a diabetes é uma doença que, embora sem cura, pode ser gerida da forma mais adequada, sendo essencial adotar um estilo de vida saudável e cumprir, rigorosamente, a terapêutica receitada pelo médico.