Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Selénio – um micronutriente indispensável!

O Selénio é um mineral essencial para o organismo humano, embora em pequenas quantidades (na ordem dos microgramas), onde desempenha várias funções importantes.

 

Entre os diversos benefícios para a saúde, destacam-se: o reforço do sistema imunitário, a proteção das células contra as oxidações indesejáveis, contribuição para a normal produção de espermatozoides, contribuição para o funcionamento normal da tiroide e é importante para manter o cabelo e as unhas saudáveis.

Os níveis de selénio no organismo dependem da ingestão de alimentos ricos em selénio, sendo que o teor deste nutriente nos alimentos é variável, consoante o solo de cada região onde o alimento é cultivado.

Ainda que as fontes de selénio variem de acordo com os solos e águas usados na produção dos alimentos, os alimentos com maior teor em selénio são:

  • Noz, amendoim, caju e, principalmente, castanha do Pará*;
  • Frutos do mar (e.: camarão, mexilhão, ostras, caranguejo);
  • Peixe (ex.: atum, salmão, bacalhau);
  • Carne, principalmente a de porco;
  • Cogumelos;
  • Ovos;
  • Cereais e derivados;
  • Sementes (ex.: de girassol);
  • Leite.
*é a semente da castanheira do Pará, uma árvore da família botânica Lecythidaceae, típica do norte do Brasil. Apenas uma castanha, pode possuir uma quantidade de selénio maior do que as necessidades diárias para um adulto.

O teor de selénio no leite materno é influenciado diretamente pela ingestão materna de alimentos ricos em selénio, sendo que, seguindo uma alimentação equilibrada, os bebés alimentados com leite materno terão níveis de selénio superiores aos bebés alimentados com fórmulas artificiais.

Considerando que o selénio é necessário em níveis reduzidos, a maior parte das pessoas pode, sem qualquer dificuldade, obter a quantidade necessária de selénio a partir dos alimentos. Além disso, não existem dados que mostrem que, quantidades acima do nível ideal, tragam benefícios adicionais. Pelo contrário, o perigo de atingir níveis tóxicos é provável, ainda que raro, manifestando-se através do hálito com cheiro a alho, fadiga, falta de concentração, problemas gastrintestinais, entre outros sintomas.

Por outro lado, a deficiência de selénio, pode ocorrer nas regiões com solos pobres em selénio, no caso de fazer uma alimentação pouco equilibrada e pobre em alimentos fonte de selénio ou, em determinadas doenças ou condições fisiológicas que comprometem a absorção normal dos nutrientes no organismo, como é o caso da infeção por HIV a doença de Crohn, ou doentes que fazem hemodiálise. Nestas situações, a toma de suplementos alimentares com selénio pode ser uma forma de corrigir a deficiência de selénio no organismo.  No entanto, em qualquer dos casos, deve sempre consultar o seu médico ou farmacêutico para obter um aconselhamento orientado e sem o risco de ocorrência de problemas para a sua saúde.