Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Cabelos por um fio

Do total de 100 mil a 150 mil cabelos que a maioria das pessoas tem, é normal que se perca entre 50 a 100 por dia.

Os cabelos que nos caem todos os dias podem gerar alguma preocupação, quando os julgamos em muita quantidade, mas, regra geral, não há motivo para entrar em pânico: essa perda corresponde apenas ao processo natural de renovação capilar, que respeita o ciclo de vida do cabelo. Ao longo de toda a vida, temos, em simultâneo, fios em crescimento, outros numa fase de repouso e ainda outros em queda.

Apesar de ser praticamente impossível contar o número certo de cabelos que se vai perdendo, preste especial atenção se lhe parecer que está a cair em demasia e procure aconselhar-se com um dermatologista. Quando a queda de cabelo é acentuada, pode ser sinal de alopecia, um desequilíbrio ao nível do couro cabeludo em que há mais cabelos em queda do que em crescimento. Isto provoca um desequíbrio na renovação capilar e, em casos mais graves, pode vir a significar mesmo calvície ou ausência total de cabelo.

Travar e prevenir a queda de cabelo só é possível indo à raiz do problema e dedicando a atenção devida ao couro cabeludo. Assim, fixe:

→ Queda de cabelo normal do dia a dia: há mais cabelo em fase de crescimento do que em fase de queda;

→ Alopecia: há mais cabelos em queda do que em crescimento, comprometendo assim a renovação capilar.

Tanto homens como mulheres podem ser afetados pelos fatores responsáveis pela alopécia, embora de formas diferentes. A alopecia pode, igualmente, ser restrita a certas zonas no couro cabeludo (alopecia localizada), ou generalizada. Também apresenta habitualmente manifestações diferentes consoante o sexo.

Por exemplo, a alopecia androgenética, provocada por fatores hereditários, manifesta-se geralmente:

  • nos homens pela rarefação de cabelo nas zonas laterais, perto da região frontal (aquilo a que vulgarmente chamamos “entradas”), ou na parte superior da cabeça, continuando para trás, podendo evoluir para calvície;
  • nas mulheres, os fios tendem a ficar mais finos e escassos em todo o couro cabeludo, podendo a queda acentuar-se à frente, nos lados ou na parte superior da cabeça, embora seja raro progredir para calvície.

 

Paralelamente à hereditariedade, outras condicionantes podem contribuir para a queda de cabelo:

  • variações hormonais: sobretudo no caso das mulheres, fruto duma gravidez ou da toma de contracetivos orais, por exemplo;
  • certos medicamentos podem surtir o mesmo efeito: em especial medicamentos para a depressão, doenças cardíacas ou cancro, tal como acontece com intervenções cirúrgicas ou partos recentes;
  • presença de certas doenças: tais como diabetes, lúpus problemas de tiroide, doenças de pele ou infeções no couro cabeludo;
  • no caso da alopecia areata (aparecimento de peladas), a perda de cabelo é causada por uma doença autoimune, ou seja, o próprio sistema imunitário ataca os folículos capilares;
  • exposição excessiva ao vento, ao calor ou ao cloro das piscina;
  • atrito causado pelo uso intensivo de elásticos ou ganchos, penteados elaborados e escovagem excessiva.

Para obter aconselhamento acerca do que fazer e do que usar, dirija-se à sua farmácia e fale com o seu farmacêutico.