Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

A cada animal a sua alimentação

Há muito que as sobras das refeições familiares deixaram de ser adequadas para os animais de companhia. Isto porque não cobrem todas as necessidades nutricionais próprias das várias raças e das sucessivas fases de crescimento e desenvolvimento, podendo até fornecer aos animais alimentos que contêm substâncias nocivas para a sua saúde. Já para não falar que cães e gatos têm exigências nutricionais diferentes.

Os cães necessitam de uma dose equilibrada de minerais como o cálcio, magnésio, zinco, ferro e o fósforo, e de vitaminas como a D, essenciais à solidez dos ossos e à saúde dos dentes. Precisam também de proteínas, para construção da massa muscular, e de gordura para dela retirarem energia, sobretudo se forem animais ativos e de grande porte. Já os gatos são muito sensíveis: uma dieta desequilibrada pode causar problemas cutâneos e urinários.

A todas estas especificidades dá resposta a indústria da alimentação animal, oferecendo alimentos e outros produtos que vão ao encontro daquilo que cada animal precisa para crescer e viver saudável.

Mas esta alimentação não se limita a garantir as necessidades nutricionais do animal. Ela responde cada vez mais a situações específicas como a lactação, problemas osteoarticulares, de pele ou de pelo e geriatria, oferecendo fórmulas adaptadas às diferentes idades, portes e até ao nível de atividade física.

Além disso, responde a necessidades muito particulares geradas por doenças como a insuficiência renal e a diabetes. Há, ainda, alimentos cuja composição se destina a prevenir problemas de saúde, nomeadamente ao nível da queda do pelo e da formação do tártaro dentário.

Sem falar num problema que é cada vez mais atual – a obesidade. É um problema
que, por um lado, decorre de uma qualidade crescente da alimentação. Parece contraditório, mas a verdade é que a absorção dos nutrientes se torna mais fácil, levando o animal a comer mais. Por outro lado, tem aumentado o sedentarismo dos animais – a questão coloca-se sobretudo em relação aos cães e gatos que vivem muitas vezes em apartamentos e que beneficiam pouco de espaços abertos para correrem e saltarem.

Tudo junto contribui para animais com excesso de peso, o que abre caminho a doenças cardiovasculares, tal como no ser humano. Para prevenir e combater este risco, existem fórmulas com menos calorias que ajudam a perder peso gradualmente, mas sem perder massa muscular.

Integrar um animal no ambiente doméstico passa por lhe proporcionar a alimentação mais adequada, a pensar nele e na família com que interage. Afinal, a saúde e o bem-estar do animal reflete-se em todos os que com ele partilham brincadeiras e afetos.