Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

Asma – Medicamentos para a vida

Quem sofre de asma sente-se como se o ar faltasse, para isso contribuindo os diversos sintomas desta doença que se caracteriza por uma inflamação crónica dos brônquios (canais que resultam de uma divisão da traqueia e que penetram nos pulmões, sendo responsáveis pelo transporte do ar inspirado e expirado).

Quem sofre de asma sente-se como se o ar faltasse, para isso contribuindo os diversos sintomas desta doença que se caracteriza por uma inflamação crónica dos brônquios (canais que resultam de uma divisão da traqueia e que penetram nos pulmões, sendo responsáveis pelo transporte do ar inspirado e expirado).

A asma não tem cura, mas é controlável. É uma doença crónica mas o facto de evoluir por crises, com períodos de acalmia entre os episódios mais agudos, leva os próprios doentes a negligenciarem a terapêutica.

O tratamento da asma assenta numa tripla vertente:

  1. Evitar a exposição aos elementos desencadeantes

  2. Utilizar medicamentos com ação preventiva (anti-inflamatórios)

  3. Utilizar medicamentos específicos para as crises (broncodilatadores).

Evitar o aparecimento dos sintomas é o objetivo do tratamento preventivo, que o doente deve manter mesmo que se sinta bem. Esta é, aliás, uma das principais dificuldades no controlo da asma, existindo uma tendência para abandonar esta medicação nos períodos de pausa (sem sintomas).

Como referido anteriormente é importante reter que a asma é uma doença controlável. Para tal, torna-se essencial que o doente:

  • Cumpra o tratamento preventivo diário, respeitando não só as doses prescritas pelo médico como as frequências;

  • Saiba usar corretamente o inalador, pedindo ajuda ao farmacêutico quando o adquire uma vez que cada inalador tem um modo de uso ligeiramente diferente;

  • Conheça e evite os fatores controláveis que desencadeiam crises;

  • Avalie no médico periodicamente a asma, para verificar se a medicação que está a fazer é a adequada.