Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

O que é a equinácea e para que serve?

A equinácea é uma planta, natural da América do Norte, largamente utilizada pela população nativa americana, na medicina tradicional.

 

Atualmente, são usadas várias partes da planta, como preparado seco ou fresco, para fazer infusões, sumos, extratos, cápsulas ou comprimidos, e preparações para aplicação na pele, em feridas e outros problemas de pele. Existem nove espécies de equinácea contudo, as mais vulgarmente utilizadas, são a Echinacea purpurea, Echinacea angustifolia e Echinacea pallida.

As marcas comerciais de produtos de equinácea podem conter uma ou as três espécies, e são utilizadas nas infeções do trato respiratório superior, baseado na ideia de que a equinácea pode contribuir para o reforço do sistema imunitário, ajudando a combater, de forma mais eficaz, a infeção. Embora tenham sido feitos muitos estudos para avaliar os efeitos da equinácea nas constipações, nenhum foi considerado conclusivo. Um dos problemas está associado à variedade de concentrações de planta, disponíveis nos produtos de equinácea, para além dos extratos de equinácea usados nestes produtos poderem conter as flores, as hastes ou as raízes das três espécies de equinácea, dificultando assim a interpretação dos resultados dos estudos.

Para a maioria das pessoas, a toma de equinácea, a curto prazo, é provavelmente segura, embora a segurança do seu uso a longo prazo não esteja estabelecida.

Os efeitos secundários mais comuns, associados à toma de equinácea, são os gastrintestinais, tais como náuseas e dor abdominal. Têm sido notificadas reações alérgicas, em algumas pessoas que tomam produtos com equinácea. E, no caso de doença atópica (em que há uma predisposição genética para desenvolver reações alérgicas) pode haver maior possibilidade de ocorrer uma reação alérgica. Já o risco de interação entre a equinácea e a maioria dos medicamentos é baixo.

No caso das doenças autoimunes (como a artrite reumatoide ou a esclerose múltipla) ou sistema imunológico enfraquecido (como na infeção com HIV ou na tuberculose) não deve tomar estes suplementos sem consultar o seu médico ou aconselhar-se com o seu farmacêutico.