Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

O que é a bulimia?

Os transtornos alimentares, são cada vez mais comuns, afetando maioritariamente mulheres, mas também um número crescente de homens.

 

A bulimia nervosa é um transtorno alimentar que se caracteriza por alterações significativas nos hábitos alimentares e na perceção da própria imagem corporal. Traduz-se na ingestão de grandes quantidades de alimentos, geralmente na ausência de outras pessoas, seguida de uma tentativa de eliminação das calorias ingeridas. É mais comum em mulheres, principalmente em adolescentes e jovens adultas, podendo manifestar-se por:

  • Ingestão de grandes quantidades de alimento num curto espaço de tempo, com indução do vómito, toma de diuréticos e/ou laxantes ou prática de exercício físico em excesso, imediatamente após as refeições;
  • Receio obsessivo de ganhar peso;
  • Sentido crítico marcado relativamente ao peso e forma corporal;
  • Alterações repentinas de humor, com manifestações frequentes de ansiedade.

Desconfia-se de um quadro de bulimia nervosa quando se verificam as manifestações acima descritas, pelo menos, 2 vezes por semana, durante um período mínimo de 3 meses.

A sua identificação precoce é fundamental, mas nem sempre é fácil. Os sinais descritos podem ser difíceis de detetar, já que a maioria dos doentes se isola no seu decorrer.

O tratamento, que tem como principal objetivo a recuperação de hábitos alimentares saudáveis, envolve uma equipa de saúde, podendo contemplar terapia psicossocial, aconselhamento nutricional e a toma de medicamentos.

Não existe modo de prevenir os distúrbios alimentares. No entanto, no caso da bulimia nervosa, por ocorrer frequentemente na adolescência, existem medidas que podem revelar-se úteis no contacto com os mais novos:

  • Invista ao máximo nas refeições em família. Deste modo, poderá acompanhar e guiar a relação que o seu filho estabelece com os alimentos;
  • Cultive a ideia do corpo saudável como algo independente do peso ou imagem corporal;
  • Invista no acompanhamento médico periódico do seu filho. Esta é a melhor forma de identificar este e outros problemas de saúde.

Mantenha e incentive sempre hábitos alimentares saudáveis! E lembre-se: a bulimia nervosa pode condicionar seriamente o funcionamento do organismo. Por este motivo, o seu diagnóstico e tratamento requerem sempre acompanhamento médico. O envolvimento familiar, tal como em outros disturbios alimentares, como a anorexia, é igualmente essencial neste processo.