Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar

A alimentação do bebé

A alimentação do bebé e da criança é fundamental para o seu crescimento e desenvolvimento. Durante os primeiros meses de vida, o aleitamento materno exclusivo é, sempre que possível, a melhor opção para o bebé e para a mãe devido aos benefícios que traz a ambos.

 

Entre o 4º e o 6º mês de vida, de acordo com a indicação do pediatra, a alimentação láctea exclusiva começa a deixar de ser suficiente para suprir as necessidades nutricionais e energéticas do bebé, pelo que se inicia a alimentação complementar (ou diversificação alimentar). A diversificação alimentar vai permitir moldar o paladar, apetite e gostos futuros da criança pelo que, é nesta fase, que se devem iniciar os princípios de uma alimentação saudável que perdure para a vida adulta.

O início da diversificação alimentar, normalmente, coincide com a altura em que o bebé começa a ter capacidade de mastigar, deglutir e digerir outros alimentos, para além do leite. Além disso, é nesta fase que o bebé começa a conseguir sentar-se com ajuda e a controlar os movimentos da cabeça e do pescoço, o que ajuda ao processo de mastigação.

Não existem regras rígidas no que toca à diversificação alimentar, uma vez que cada bebé é um bebé, e a introdução de novos alimentos deve ser feita ao ritmo do seu bebé e de acordo com as necessidades que este apresenta, sempre com o conselho do médico pediatra.

O processo de diversificação alimentar pode ser por isso desafiante e complexo tanto para os pais como para os bebés. Assim, aqui ficam alguns conselhos práticos:

  • guarde tempo para as refeições;
  • a introdução dos alimentos deve ser gradual: tudo é uma novidade para o seu bebé – a colher, a consistência e o sabor;
  • a introdução de novos alimentos deve ser feita com colher ou copo (no caso de líquidos), mas não com biberão;
  • é natural que, nas primeiras tentativas, o bebé projete a língua para fora e cuspa; este é um reflexo do bebé e não sinónimo da rejeição do alimento;
  • se o bebé rejeitar um alimento, tente dar-lho novamente noutro dia;
  • quando introduzir a alimentação complementar, deve começar a dar água ao seu bebé entre as refeições;
  • caso o bebé desenvolva sintomas de reação alérgica – vómitos, diarreia e manifestações na pele – deve suspender de imediato o novo alimento e informar o médico.