Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
24 maio 2017
Texto de Miguel Andrade (coach) Texto de Miguel Andrade (coach) Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

Vencer o Adamastor

​Saiba o que o coaching pode fazer pela sua equipa.

Tags
No Verão de 1959 aconteciam mais uma vez as férias grandes em Machico. Nesse ano, a novidade foi a criação de uma competição de voleibol, a que se juntou o doutor Aurélio, proprietário da Farmácia Zarco. Embora modernizada com outros produtos, o que se aviava era, como hoje, medicamentos e conselhos de saúde, de mão dada com alguma tertúlia e cidadania.

À semelhança do resto do país, as farmácias cresceram. No vale de Machico há agora três, para uma população que alterou o seu perfil de consumo, muito por influência do Serviço Regional de Saúde (SRS). O que cresceu com a dinâmica do SRS, sofre hoje com a sua crise. Esta é profunda. Para muitas farmácias, esta crise é um “Cabo das Tormentas”. Trata-se de enfrentar um novo Adamastor.

A questão é: Como se converte o Cabo das Tormentas em Cabo da Boa Esperança?

Se, no século XV, foi crucial inventar a caravela, agora está a ser construída a farmácia do futuro, enquanto prestadora de cuidados de saúde, líder ao nível dos cuidados de saúde primários.

Têm sido arquitectadas parcerias essenciais a esta navegação crítica. Mas isso por si só não basta. Há que preparar as tripulações, incutir-lhes alento e treiná-las na prestação de serviços de saúde, integrando a dispensa de medicamentos e outros produtos de saúde.

Como podem as farmácias e as suas equipas ter sucesso nestas novas artes de marinhagem?

Conhecendo, explorando e aproveitando ao máximo os seus próprios recursos, como a experiência, o saber e a coragem. Isso requer novos saberes e técnicas, a fim de se atingir resultados “extraordinários”.

Hoje, a ferramenta mais adequada é o coaching.

O coaching é um modo profundo de pensar, sentir e agir a mudança. Um processo de desenvolver desempenhos e atingir objectivos desafiantes, excepcionais.

O coaching distingue-se de outras ofertas de apoio por ser um método de transformação pessoal, de equipas e projectos.

O coaching é para aqueles que têm consciência que é preciso mudar. Para quem já concluiu que não poderá sobreviver num contexto de mudança acelerada continuando a fazer o mesmo de sempre.

O coaching parte do princípio de que temos os recursos necessários para mudar, se tivermos a coragem de questionar tudo e de sermos claros connosco próprios: o propósito, a estratégia, o mapa, o plano, a realização, a avaliação e a ética. No caso das farmácias, existe a consciência de que é preciso mudar em conjunto. Sozinho ninguém se salva, a missão é o bem comum.

O coaching ajuda a criar e a desenvolver equipas que trabalham em conjunto, para além do cada um por si, focadas na Missão e na Visão da organização.

O coaching é ainda uma parceria entre profissionais e clientes, que põe em prática um processo de mudança, num tempo pré-determinado – que vai do ponto em que se está até ao ponto onde se deseja e projecta vir a estar.

Não se trata de uma receita milagrosa, mas de uma jornada.

A partir da consciência de que é imperioso mudar, os dois parceiros, o coach e o coachee, concordam fazer juntos um caminho. Avaliam a situação, comprometem-se com o propósito, estabelecem o contrato, definem um plano de acção, executam-no, avaliam os resultados, persistem e aprendem.

A minha experiência profissional, em particular destes quase dez anos de prática do coaching, é a de que é possível a um líder, a uma equipa, a uma organização, atingir resultados “extraordinários” com a ajuda de um programa de coaching, como acontece na ANF.

Este consultório nasce para falarmos sobre o coaching na Saúde e na Farmácia. Estarei disponível para responder às vossas perguntas sobre o seu uso em novos projectos e nas equipas que lideram ou de que fazem parte.