Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
17 dezembro 2016
Texto de Jaime Pina (Médico) Texto de Jaime Pina (Médico)

Uma prenda aos pulmões

​​​​​Este Natal, pa​re de fumar. Ganhe dez anos de vida.

​Quando fumamos, o que é que inalamos? O tabaco arde a 900º​C e dessa combustão resultam milhares de diferentes substâncias com um ponto em comum: fazem mal à saúde. Entre as mais de 5.000 substâncias identificadas, encontram-se a nicotina, gases, substâncias irritantes e substâncias cancerígenas. Muitas são constituintes naturais da folha do tabaco; outras foram lá parar no processo de cultivo, tais como adubos, insecticidas e pesticidas; outras resultam da produção industrial, quando se adiciona ao tabaco o papel, aditivos químicos e colas.

A nicotina é a substância responsável pela dependência, considerada nos dias de hoje muito semelhante à originada pelas drogas ilegais. É à nicotina que se deve os efeitos nefastos que o tabaco tem sobre o coração e os vasos.

Dos diversos gases, os predominantes são o monóxido de carbono e o anidrido carbónico, ambos mortais quando inalados em altas concentrações. O monóxido de carbono é responsável pela cor arroxeada que se verifica nos lábios dos grandes fumadores e que traduz a baixa concentração de oxigénio nos tecidos do corpo humano. Este gás não permite uma boa oxigenação das células e dos tecidos.

São numerosas as substâncias irritantes do fumo do tabaco: fenóis, acroleína, acetona, formaldeído, amónia. Estas substâncias provocam uma intensa inflamação nos brônquios, com destruição das suas componentes mais sensíveis. São os principais responsáveis pela temível DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica.

São muitas – mais de 50 – as substâncias no fumo do tabaco e que integram a lista do que pode provocar cancro. São disso exemplo os hidrocarbonetos (benzeno e benzopireno), metais pesados (arsénico, chumbo, níquel e cádmio), nitrosaminas, metano e até substâncias radioactivas como o polónio-210.

Fumar é incompatível com a saúde e o doente fumador vai morrer dez anos mais cedo do que a sua programação biológica. Morrer de quê? De problemas cardiovasculares, de DPOC e de cancro. Estão identificados muitos tipos de cancro em que a relação com o hábito de fumar é indiscutível: boca, orofaringe, esófago, bexiga e, sobretudo, pulmão – mais de 90% dos cancros do pulmão têm relação directa com o tabagismo.

Se é fumador, do que é que está à espera? Deixe de fumar hoje mesmo. Se não o consegue sozinho, peça ajuda. Este Natal dê essa prenda aos seus pulmões… e àqueles que lhe são queridos. 

​​

Notícias relacionadas
Links relacionados