Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
29 abril 2017
  Roteiro
Texto de Sónia Balasteiro Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Sónia Balasteiro
Uma espécie de Jurássico

​​​Na Serra de Aire, pode ver-se pegadas de dinossauros.

Tags
Revista Saúda #19 Roteiro Exclusivo online
Em plena Serra de Aire e Candeeiros, fica o Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurios de Ourém. Um trilho pelo monte, situado na Pedreira do Galinha, leva-nos até à soberba vista sobre as pegadas descobertas em 1994. 

Ali, na rocha calcária, em declive, observa-se as pegadas de dinossauros saurópodes de «excepcional importância», lê-se na apresentação do monumento. A imagem impõe respeito e revela a nossa pequenez.  

A viagem é ao Período Jurássico, quando aquelas terras eram povoadas por alguns dos maiores seres que já conheceram o planeta. É preciso recuar 168 milhões de anos para aqui chegar, podendo observar-se 20 trilhos, de 142 metros a 147 metros de comprimento – dos mais longos do mundo. 

As pegadas mostram a presença de gigantes quadrúpedes, de cabeça pequena, possantes, com cauda e pescoço compridos, herbívoros. 

A imagem é impressionante e vale para além das pegadas. Aproveitar o passeio é irresistível, sobretudo para desfrutar de toda a paisagem do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros que envolve este monumento natural. Saiba mais AQUI.
Notícias relacionadas