Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
17 julho 2017
Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor) Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor)

Uma casa de espíritos chamada Museu da Farmácia

​​​​​​​​​​Em Lisboa, ali para os lados do miradouro de Santa Catarina, encontra-se o Museu da Farmácia, um lugar onde a história da saúde nos deslumbra. 
Tags
​A quem passa por fora, será difícil adivinhar que, do outro lado das paredes, convivem sarcófagos egípcios com farmácias portáteis da Space Shuttle, pedras de bezoar com peças de cerâmica de culturas sul-americanas, almofarizes, vasos de botica, armários de farmácia, estojos com cuidados de saúde usados nas guerras, uma das placas de petri com cultura de penicilina de Fleming, a ordem de captura do médico de Hitler. 

É uma expressiva e surpreendente mostra de vários milénios da arte de curar, encarar e tratar a doença, dar o medicamento certo com o conselho correcto, feita através de porcelanas, cristais, uma impressionante gama de cartazes de publicidade…

Numa era em que a investigação vai obtendo respostas para doenças complexas e em que o doente tem à sua disposição fármacos que o tratam com segurança e efectividade, é bom perceber o caminho que o Homem percorreu ao longo de séculos. É bom testemunhar o progresso feito da feitiçaria e dos amuletos até às inovações terapêuticas da farmácia química, da bacteriologia e da microbiologia, através de peças e documentos eloquentes.

Este é um espaço de memória e vida. Sente-se o seu pulsar. Aqui nada é estático, tudo lembra alguma coisa que não se quer repetir nunca mais, alguma coisa que se quer honrar, algo que tem de ser aprendido.  

Ligado como estou ao associativismo de doentes e consumidores, recomendo a quem quer que seja o conhecimento deste riquíssimo património cultural da saúde. Não serão só milénios de combate à doença que o visitante do museu terá ao seu alcance; também poderá contactar com as etapas fundamentais do papel da farmácia no bom uso do medicamento. 

Tenho para comigo que visitar este museu será um bom passo na literacia em saúde e certamente que o seu olhar sobre a profissão e o papel do farmacêutico será muito diferente. 
Notícias relacionadas