Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
23 novembro 2015
  Família
Texto de Sílvia Bentes (Farmacêutica) Fotografia de Júlio Lobo Pimentel Fotografia de Júlio Lobo Pimentel Texto de Sílvia Bentes (Farmacêutica)
Travar a gripe em família

​​​Mais do que pensar em cuidados especiais para evitar os contágios, o trabalho é feito na prevenção.

Como mãe e farmacêutica, quero começar com um ponto prévio: os meus seis filhos são uns “todo-o-terreno”. Não vale a pena, por exemplo, dizer para não andarem descalços. Os avós ficam muito preocupados, mas eu já desisti. Eles andam sempre descalços.

Optei por avançar com este ponto prévio para perceberem melhor o ambiente que se vive cá em casa. Não há dramas. Aliás, numa família numerosa não há espaço para dramas. Muito mais do que pensar em cuidados especiais para evitar os contágios quando a gripe aparece, o meu trabalho é feito na prevenção. É aí que faz sentido apostar. Não vale a pena ter ilusões. Quando um adoece, a probabilidade de outro adoecer passada uma semana é enorme. Os meus filhos partilham os quartos. Seria impensável alguém ir dormir para a sala porque está doente.

Cá em casa, toda a gente conhece as regras básicas para evitar os contágios: lavar as mãos frequentemente e, em particular, depois de espirrar, tossir ou assoar-se; cobrir
o nariz ou a boca quando se espirra; evitar beber pelo copo do irmão e usar cada um a sua toalha. Apesar de todas as regras, a minha estratégia passa por reforçar o sistema imunitário antes de chegar o frio.

Terminado o Verão, está na hora de preparar o Inverno. Há uns tempos, comecei a trabalhar os medicamentos homeopáticos na farmácia e estou muito satisfeita com os resultados. É com eles que faço parte do trabalho de prevenção em casa, associado à tradicional vitamina C. Quando o frio aperta, o nosso batalhão está pronto para a guerra, ainda que seja sempre necessário tomar algumas medidas que não geram consenso. Por exemplo, arejar a casa. Vivendo em Serpa, no Inverno não é fácil convencer a família de que é preciso ter as janelas abertas. Os miúdos reclamam, mas tento negociar. Em troca da casa arejada, não lhes exijo grandes agasalhos. Eles não gostam de estar encasacados e eu agradeço: é meio caminho andado para não ficarem doentes. ​
Notícias relacionadas