Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
14 janeiro 2017
Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor) Texto de Mário Beja Santos (Técnico de Defesa do Consumidor)

Suplementos seguros só na farmácia

​​Muitos consumidores estão a tomar substâncias que desconhecem por não estarem declaradas nos rótulo​s​.

​A publicidade aos bens e serviços de saúde é uma área bastante  regulamentada. Os medicamentos de prescrição obrigatória, por exemplo, não podem ser publicitados junto do público, e os não sujeitos a receita médica, embora o possam ser, estão subordinados a regras severas.

Há um ano, foi publicada nova legislação neste âmbito (Decreto-Lei n.º 238/2015, de 14 de Outubro), contudo, muitas situações resultaram equívocas e outras simplesmente foram deixadas de fora da lei.
 
É o caso dos produtos dietéticos “milagrosos”, das consultas de saúde gratuitas, dos cartões de desconto e promoções em serviços de saúde.

O que se passa com os produtos naturais, à base de plantas e, fundamentalmente, com os suplementos alimentares, é de extrema gravidade: um estudo publicado pela ASAE revela que muitos consumidores estão a tomar substâncias que desconhecem por não estarem declaradas nos rótulos, desconhecendo-se também as concentrações e as doses realmente ingeridas. No caso dos suplementos alimentares para perda de peso, é claramente dito que «o uso indiscriminado e excessivo a que temos vindo a assistir pode colocar em risco a saúde do consumidor». Para a Autoridade, «é necessária informação credível e legislação apertada, devendo apenas ser colocados à disposição do consumidor os suplementos seguros e com eficácia comprovada». Só que isso não acontece.

Os suplementos alimentares são aprovados por um departamento do Ministério da Agricultura, mas que não os controla sistematicamente: autoriza-os em função das declarações do produtor ou importador. Não entendo como é que esta matéria não é da responsabilidade do INFARMED, onde o controlo seria garantido, e não é exigido um acompanhamento competente das alegações de saúde, nutricionais e das campanhas de promoção e publicidade. Era aqui que se devia proteger o consumidor.

Nas farmácias há a garantia de acompanhamento por profissionais de saúde habilitados, além de que os suplementos alimentares aí vendidos são, à partida, sujeitos a uma verificação de rotulagem que assegura maior segurança ao consumidor.

Porém, não é tarde para emendar a mão na legislação. Com controlo, garante-se a credibilidade e acaba-se com o charlatanismo e os riscos para a saúde pública. 
Notícias relacionadas