Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
27 junho 2017
Texto de Texto de Mário Beja Santos (técnico de defesa do consumidor) Texto de Texto de Mário Beja Santos (técnico de defesa do consumidor)

Poupe + com os genéricos

A expansão dos genéricos tem tido um papel determinante na redução das desigualdades em saúde e na equidade no acesso ao medicamento. 

Tags
Veja-se o caso dos doentes crónicos mais desfavorecidos. Com os genéricos podem cumprir as suas terapêuticas e ter uma vida com mais qualidade, porque estes medicamentos, por definição, têm a mesma composição, eficácia e qualidade que os de marca originais, com a vantagem de serem sempre mais baratos. 

Para além disso, as poupanças geradas com os genéricos permitem ao Estado canalizar investimento para novos medicamentos ou medicamentos inovadores. Entre 2011 e 2016, os genéricos permitiram alcançar uma poupança real superior a 2.550 milhões de euros.

«Peça genéricos, não torne a saúde mais cara para todos». Este é o mote da campanha de sensibilização desenvolvida pelo INFARMED, a autoridade nacional na área do medicamento, uma mensagem que, como diz o povo, “põe o dedo na ferida”.

É que, conforme diz a autoridade, «não são as marcas que garantem a eficácia dos medicamentos. Para a maioria das doenças existem medicamentos genéricos que têm a mesma composição, os mesmos efeitos e o mesmo controlo de qualidade e segurança que os medicamentos de marca». 

Se temos todos a ganhar, qual deve ser o comportamento do doente o do utente de saúde? 

Para mim, a opção por medicamentos mais baratos não é só um direito que nos assiste, é quase um dever, porque se adoptarmos este comportamento, responsável para connosco e para com os outros, poupamos e criamos condições para haver mais medicamentos inovadores.

Dever têm também as farmácias de nos informar da existência dos genéricos que têm preços mais baixos. Por essa razão, são obrigadas a ter sempre disponíveis para venda, no mínimo, três medicamentos dos cinco com os preços mais baixos em cada grupo, devendo dispensar o mais barato, salvo se for outra a opção do doente.

Lembre-se: estamos longe de alcançar o potencial de poupança que os medicamentos genéricos já hoje representam, o que se traduz em desperdício de recursos. Por isso, seja responsável. Por si e por todos.
Notícias relacionadas