Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
8 fevereiro 2016
  Estudo
Fotografia de Júlio Silva Texto de Filipe Mendonça
Portugueses satisfeitos querem mais serviços das farmácias

​A Farmácia é o serviço preferido dos portugueses para resolver os problemas menores de Saúde.​

Esta é uma das conclusões do Estudo “Um Novo Modelo de Farmácia” realizado pela Universidade Católica e apresentado esta tarde, em conferência de imprensa, numa farmácia em Lisboa.​​

Uma das razões que justifica a preferência dos portugueses está relacionada com o grau de satisfação perante o serviço farmacêutico: 96% dos inquiridos reconhece a competência dos profissionais.​

Aliando a preferência e relevância, a população (89%) reclama a implementação, nas farmácias, da renovação automática de receitas para doentes crónicos, entrega de medicamentos ao domicílio (89%), dispensa de medicamentos actualmente reservados às farmácias hospitalares (78%), e marcação de consultas médicas (74%).



Suzete Costa, responsável pelo CEFAR, sublinhou durante a apresentação do estudo que «o importante é saber o que querem os portugueses da sua rede de farmácias». Os números respondem à questão e podem ajudar a definir opções políticas. «É importante que as decisões em Saúde sejam tomadas, cada vez mais, com base na evidência», defendeu a responsável.


No dia-a-dia, 36% dos portugueses optam pela farmácia enquanto 27% escolhem os Centros de Saúde e apenas 3% dos inquiridos ligam para a Linha Saúde 24. Números que espelham bem a relevância atribuída às farmácias e aos serviços que delas fazem parte.



A
esmagadora maioria dos inquiridos avalia os serviços prestados pelas farmácias como importantes ou muito importantes, valorizando os serviços já existentes. São também favoráveis ao desenvolvimento de novos serviços nas farmácias, demonstrando que existe um espaço de abertura para testar novos serviços, identificados como importantes pelos inquiridos.



 

​​Verónica Policarpo, do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica, explicou que o «estudo mostra que os portugueses valorizam os serviços que expressam uma relação de proximidade e confiança».

​​Este inquérito à população portuguesa tem como objectivo conhecer as opiniões dos portugueses face ao modelo de Farmácia oferecido e a oferecer no futuro.​​