Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
14 janeiro 2017
  Saúda
Texto de Maria Jorge Costa e Rita Leça Fotografia de Filipe Mota Rebelo Fotografia de Filipe Mota Rebelo Texto de Maria Jorge Costa e Rita Leça
Os povoadores

​​​​​​​​Farmácias criam incentivos à natalidade.

As farmácias portuguesas vão desenvolver, em 2017, os seus serviços especialmente dirigidos a bebés, mulheres grávidas e novas famílias. Os casais à espera de bebé em 2017 podem habilitar-se a um apoio de 200 euros por mês na aquisição de produtos e serviços das Farmácias Portuguesas até aos 3 anos da criança. «As farmácias, pela sua proximidade e serviço, já combatem no dia-a-dia os dois principais problemas estruturais de Portugal: a desertificação e o envelhecimento. Em 2017, pretendemos incentivar activamente a natalidade», anuncia o presidente da Associação Nacional das Farmácias. O apoio às jovens famílias «deve ser uma responsabilidade de todos», justifica Paulo Cleto Duarte.

Depois de anos a cair a pique, a taxa de natalidade está, aos poucos, a subir. Mas há ainda um longo caminho a percorrer para escalar uma tabela onde estamos no segundo lugar... a contar do fim. De facto, em 2015, Portugal foi o segundo país da União Europeia (UE) com menos nascimentos, só atrás da Itália. A taxa de natalidade no nosso país fixou-se em 8,3%, abaixo dos 10% que representa o conjunto dos Estados-Membros da UE.

E se, no ano passado, houve um aumento no número de testes do pezinho – nos primeiros seis meses do ano foram feitos 42.758 exames, mais 2.639 testes do que no ano anterior – ainda estamos muito longe de conseguir equilibrar a balança das taxas de natalidade e de mortalidade.
 
Muitos são os apelos feitos para promover os nascimentos no nosso país e este é um tema recorrente nos debates no Parlamento, nas autarquias e na sociedade civil.

A vontade de constituir família tem de ultrapassar um conjunto de sérias dificuldades, a começar pela monetária. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, as famílias com filhos gastam, em média, mais 658 euros por mês do que aqueles que não têm filhos.

Perante esta realidade, as farmácias juntaram-se à causa, com o programa ‘Pais Saúda’ – um passatempo para casais à espera de bebé. Ao partilharem as suas experiências, desde a gestação até ao terceiro ano de idade, três casais vão receber um prémio de 200 euros mensais em cartão Saúda, até ao 3.º aniversário dos bebés.

Saiba mais AQUI.​