Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
15 outubro 2016
Texto de Maria Jorge Costa Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Maria Jorge Costa
«Os jovens de Lisboa eram todos do Benfica»

​​​​​​​​​​O director-geral da Saúde não esconde a simpatia pelo clube mas garante que ficou mais benfiquista quando conheceu o sogro, arquitecto do primeiro estádio e jogador do clube.

​RS - Tem paixão pelo Benfica.
FG - A paixão é grande, mas não é doentia, é saudável. Tenho o meu coração no Benfica, gosto que o Benfica ganhe, mas não sou sócio do Benfica. Estamos a falar de uma época em que o rei era Eusébio e o Benfica foi campeão europeu, tínhamos 10/12 anos. Os jovens de Lisboa eram todos do Benfica e acontece que o meu sogro tinha sido arquitecto do estádio e por contágio, a minha alma ficou mais benfiquista.

RS - Ainda teve consigo os projectos em casa.
FG - ​Durante muito tempo tivemos em casa os desenhos e estudos. Mais tarde dei ao museu do Benfica as provas principais. Naquela altura Carnide era um descampado, via-se de todo o lado. Para além do primeiro e segundo anel o meu sogro fez ainda os dois terceiros anéis, antes da intervenção do arquitecto Taveira. Ele tinha sido jogador, mas dizia - com muita graça - que a única coisa que tinha recebido do Benfica foram uma botas. 
Lembrei-me logo desta coisa do código de conduta dos membros do governo, que só podem receber 150 euros... Ele também só recebeu as botas. Andava a correr, para trás e para a frente, e ainda ofereceu a sua criatividade...



RS - Devia ser louco pelo Benfica.
FG - Não era louco mas na altura, na ditadura, as pessoas tinham poucas atracções e ele era jogador do Benfica, porque queria promover o exercício físico, fazer ginástica, desporto... 
As coisas não eram como hoje, o Benfica não era uma indústria desportiva, era desporto. Ele contava que o presidente do Benfica o desafiou: "Oh Simões, não é capaz de desenhar um estádio?" e o meu sogro desenhou o estádio, em casa. Derrubou umas paredes, montou (não havia computadores!) uns estiradores e todas as noites, depois de jantar, gatinhava por cima das mesas, ele e mais um desenhador que fazia os cálculos. 
Eu já não vi isto, foi antes de ter entrado lá em casa. Quando entrei já o estádio estava feito. Ainda vi a casa que tinha sido preparada para receber os estiradores. Não foi o único voluntário, ele dizia que o cimento foi oferecido pelos sócios do clube, que, ao fim de semana, iam para lá trabalhar, incluindo ele. 
Gostava de saber qual foi a facturação dos arquitectos que fizeram aqueles novos estádios. ​
Notícias relacionadas