Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
11 fevereiro 2017
Texto de Nuno Esteves e Rita Leça Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Nuno Esteves e Rita Leça
Os Dias de Catarina

​​​​​​​​O teatro é paixão antiga. Após a estreia em 1999, seguiram-me oito peças, a última em 2009. Volta agora… e traz a família.

​Não é a primeira vez que trabalha com o marido, o actor João Reis, com quem está casada há 11 anos e partilha dois filhos (Maria Beatriz, de dez anos, e João Maria, de nove). Ele já a tinha dirigido, como encenador, mas esta é a primeira vez que estão juntos em palco.

 


Na sua décima peça de teatro, a comédia negra “Os Dias Realistas”, do norte-americano Will Eno, Catarina Furtado está casada com Paulo Pires. «Graças a Deus que o João não é meu marido na peça, para eu ter várias vidas; a normalidade é tão aborrecida!», atira. «E o Paulo é um dos meus melhores amigos de sempre. É uma pessoa maravilhosa. Agora somos o Sr. e Sra. Dias…».

Manuela Couto e João Reis são o casal de vizinhos. «A Manuela é uma actriz absolutamente genial. E uma mulher incrível, inspiradora. Que bom que é conhecer pessoas assim, fascinantes. E é ainda melhor quando não estamos à espera. É óptimo para a nossa saúde mental e alegria», ri-se.

Em “Os Dias Realistas” fala-se do que nos inquieta a todos no dia-a-dia. «As coisas com que as pessoas andam às costas», explica Catarina, mas com um «texto inteligente». Do amor ao casamento, das doenças à morte, aquilo que desconhecemos e não controlamos. Uma peça para todos, que primeiro faz rir e depois dá que pensar.

Catarina Furtado é a aparentemente ingénua e instável ‘Bambi’ em “Os Dias Realistas”. Por agora, está em cena no Casino Lisboa. No dia de 29 de Março chega ao Teatro Sá da Bandeira, no Porto.

«Estreámos a 11 de Janeiro e está a correr bem, estou mesmo contente», conta Catarina.
Notícias relacionadas