Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
30 janeiro 2017
  Sida
Texto de Maria Jorge Costa Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Maria Jorge Costa
«Oportunidade histórica»

​​​​​​Luís Mendão, doente há 20 anos, aprova o projecto-piloto por salvaguardar a liberdade de escolha e a avaliação de custos.​

Luís Mendão, doente há 20 anos, considera que esta é a «solução adequada» para responder às necessidades dos  doentes   portadores de VIH/sida, por reunir, num mesmo projecto, a reserva de privacidade e a qualidade científica que avalia o seu impacto e os custos envolvidos. Vê como vantagens «a produção de conhecimento, um sistema controlado para sabermos quais os resultados, a liberdade de escolha e a avaliação dos custos».

Mendão diz-se, «como doente e como cidadão», preocupado com o Orçamento do Estado. «Sabemos que os recursos são limitados, e que queremos tratar todos e o melhor possível. Em 2017, temos uma oportunidade histórica de redução do custo da medicação anti-retrovírica para preços comportáveis e justos», os quais são, para já – conforme disse – muito mais elevados do que em qualquer outro país europeu. «O custo anual por doente não deve ultrapassar os cinco mil euros. É um valor justo, que continua a ser muito bem pago e que permitiria alocar recursos para onde eles fazem falta», defende.

Por isso, a articulação entre indústria farmacêutica, farmácias e investigação científica «é essencial, para caminharmos depressa e em segurança no sentido do fim de novos casos de sida e do controlo, com tendência para zero até 2030, de novas infecções. O tratamento é uma parte essencial para atingir esse objectivo, mas é preciso fazer mais prevenção, haver mais diagnóstico precoce, e aumentar, e muito, a retenção e a adesão dos doentes à terapêutica».​​

​​