Política de utilização de Cookies em ANF Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
29 abril 2017
Texto de Maria João Veloso Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro Texto de Maria João Veloso
O medo do palco

​​​​​​​​​​​​​​​​​​​A perda do controlo está sempre presente.

Tags
Revista Saúda #19 Entrevista Exclusivo online Vídeo
Uma das suas «melhores qualidades não é o medo», garante a actriz. Mas, há sempre uma excepção à regra. «O Medo de entrar em palco». Sempre.  Seja com "Miserere", de Gil Vicente, seja com "Os Desastres do Amor", a partir de peças e textos de Pierre de Marivaux. Ambas encenadas por Luís Miguel Cintra, no Teatro da Cornucópia. 

Naquele minuto, Rita Blanco perde o controlo. «Se me perguntassem: Preferes agora que haja um grande incêndio e morram todos antes de ires estrear? eu digo sim, sim, porque morro de medo». Vai sempre em sofrimento, confessa. «Nunca houve um espectáculo em que isso não acontecesse».

 

Notícias relacionadas