Política de utilização de Cookies em Revista Saúda Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação.
Ao continuar a navegar, está a concordar com a utilização de cookies e com os novos termos e condições de privacidade.
Aceitar
5 novembro 2017
Texto de Irina Fernandes Texto de Irina Fernandes Fotografia de Pedro Loureiro Fotografia de Pedro Loureiro

O homem que abraça livros

​​​​​​​​​​​Trabalha como encadernador desde jovem. Vencer obstáculos tornou-se motivador.​​​​

Tags
​Quinze livros de Eça de Queirós empilhados no balcão aguardam a vez. Ilídio olha para as obras do escritor português com tranquilidade. Poderia ser homem para desconfortos e nervosismos, mas não é. «A minha cliente ofereceu a colecção toda à filha e sou eu quem a está a encadernar».

Proprietário de um espaço especializado em encadernações, no Bairro Alto, Lisboa, Ilídio António, 65 anos, tem os olhos numa outra tarefa: o restauro de um livro com insígnia real. «Esta obra pertence à “Colecção dos Documentos, Estatutos e Memórias da Academia Real da História Portuguesa”. O meu cliente quer a encadernação fiel à época».

O peso e o número de folhas da obra são dignos de respeito, mas nem isso intimida Ilídio. «Isto é trabalho para durar uma semana», atira bem-disposto o profissional, enquanto vira o livro auxiliando-se do próprio peito.

Portador de uma doença física congénita – nasceu sem antebraço esquerdo – escolheu ser encadernador, diz, por amor à arte. «Faço todo o género de encadernações de livros, pastas de processos. O que me dá mais gozo é fazer encadernação em pele e restauros. Tem de se ter muita paciência, mas eu gosto muito».​

Natural da Chamusca, distrito de Santarém, tinha 13 anos quando em 1966 se mudou para Lisboa para ingressar na Associação para Recuperação dos Deficientes de Mobilidade. «Uma pessoa conhecida dos patrões dos meus pais falou-lhes da escola e recomendou que eu fosse estudar para Alfama».

Em menino, e já homem, Ilídio António nunca permitiu que a deficiência tivesse voz ou lhe moldasse os sonhos. «A minha deficiência é de nascença. Sempre me conheci assim e, portanto, não estranho... No meu íntimo não sinto limitação». Ilídio sempre foi rapaz destemido com vontade de vencer na vida. «Eu corto um bife, descasco batatas, conduzo, jogo às cartas. Faço tudo o que faz uma pessoa vulgar», explica o encadernador profissional que, desde 1980, tem portas abertas na Rua da Vinha, N.º 13A, em Lisboa.

De segunda a sábado, desloca-se da sua residência na Pontinha, concelho de Odivelas, até à baixa lisboeta para cumprir mais um dia de trabalho. Faz questão de entregar os trabalhos finalizados. «Ainda esta manhã, antes de vir para aqui, fui levar dois sacões cheios de livros. Eram sacos bem pesados e eu subi até ao quinto andar». A condução nunca foi motivo de receios acrescidos. «Nunca senti medo de andar na estrada, já fiz uns bons milhares de quilómetros. Tive uns quatro carros».

Na estrada e na vida a deficiência física nunca o perturbou. Foi, desde sempre, uma criança activa e um jovem optimista. «Quando era novo até costumava cavar a terra, sempre fiz de tudo! No meu interior e no meu pensamento, não me sinto diminuído em nada. Não me sinto inferiorizado».

Aos 19 anos viu ser-lhe oferecida uma prótese, mas acabou por colocá-la de parte. «Nem para conduzir me ajeito com aquilo. Foi o Estado português que me deu. Ainda cheguei a usá-la, mas só até certa idade… Para mim é um estorvo».

Tactear, recortar ou aparafusar são tarefas que poderiam ser impraticáveis, mas Ilídio fá-las com perfeição técnica, rigor e brio. «O que acontece é que tenho sempre de pensar antes da execução em si. E quando sinto alguma dificuldade a fazer alguma coisa sou ainda mais teimoso. Não desisto facilmente».

Exibindo um sorriso maroto, dá um exemplo prático. «Como é que espeto um prego numa tábua? É fácil. Agarro num furador, faço um ligeiro encosto para obter um buraco, meto lá o prego e depois é só martelar».

C​om uma larga carteira de clientes, é reconhecido como profissional de excelência. «Tenho só um ou dois clientes de porta, a maioria aparece por recomendação de alguém. Por exemplo, o embaixador do Luxemburgo é meu cliente. Veio ter aqui comigo por indicação de outra pessoa quando ainda era assessor do Dr. Jorge Sampaio».

«De uma maneira ou de outra, consegue-se sempre fazer as coisas. Sempre. Quem não tem deficiência não tem de criar alternativas para desempenhar tarefas porque é capaz de as executar no imediato. Pessoas como eu têm sempre de pensar em primeiro lugar e encontrar a melhor solução. Mas a dificuldade aguça o engenho».

Garante que, ao longo da vida, nunca se sentiu discriminado. «Em termos do ofício não dou razão para isso. E o vasto leque de amigos que tenho… nunca me demonstrou isso, sempre me trataram com muito carinho», conta.​

Homem de vitalidade ímpar e espírito empreendedor, Ilídio António, pai de um rapaz, Daniel Filipe, de 35 anos, não soma apenas sucessos como encadernador.

É também um homem bem-sucedido na área dos negócios. Ao longo dos anos foi investindo na compra e arrendamento de imóveis. «Inclinei-me para o cimento (risos). Comprei uma casa, depois outra e mais outra. Em vez de comprar acções meti-me nisto. Enfim, sou um homem das letras, mas também dos números», diz a rir-se.

Atento ao mundo que o rodeia, brilha igualmente no campo político. «Fui arrastado, há uns bons anos, para a politiquice. Desde 1994 que faço parte dos órgãos da junta de freguesia da Pontinha».

No passado teve também papel activo na área do desporto. «Sempre tive o hobby de conviver e isso levou-me a ser dirigente do clube da Pontinha, que é muito conhecido pelo torneio internacional de futebol infantil que que organiza. Exerci vários cargos, nomeadamente presidente da direcção e vice-presidente».

Firme nas palavras e na postura, Ilídio António deixa uma mensagem, em especial aos portadores de deficiência: «Exerçam as profissões que bem entendam, adequadas à vossa própria deficiência, porque com vontade e, acima de tudo, com gosto, tudo se consegue na vida».​​​
Notícias relacionadas